Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O parto

23.04.14
No ultimo texto descrevi a terrível consulta com o meu obstetra. Foi aí que começou o meu parto.
Cheguei a casa ainda muito abananada, deitei-me no sofá a escrever o post para o blogue e trabalhei ao computador, sempre deitada de lado. Tinha contrações, sem dores, mas sentia aquelas dores, tipo menstruais, o tempo todo. Como já era habitual, não quis dar muita importância. Entretanto, o meu marido pediu-me que fôssemos jantar ao café ao lado de casa, pois ia dar um jogo de futebol com o Benfica. Fui a pé e regressei depois com uma amiga.
Em casa, fui à casa de banho e vi a primeira parte do rolhão mucoso. Era um muco espesso, cheio de sangue e absolutamente assustador. Ao longo de toda a gravidez, não tinha perdido uma gotinha que fosse de sangue e ver aquilo tudo foi muito mau. Porém, o médico tinha alertado para alguma lerda de sangue nos dias seguintes ao toque. Assumi que fosse normal. A partir daí, comecei a sentir contrações com dor. Era meia noite e as contrações vinham de 6 em 6 minutos, qual relógio. Muito raramente, eram 7 ou 12 minutos. Dei-me ao trabalho de passar a noite toda a anotar os minutos no telemóvel, na esperança das construções ficarem irregulares. Por volta das 2 da manhã, liguei à minha cunhada para saber o que seria aquilo, já que se estava a tornar insuportável. Disse que podia ser normal, que fosse tomar um banhinho quente. Se fosse o parto, acelerava-o, se fossem apenas dores, aliviavam um pouquinho. De facto, aliviou o suficiente para eu dormir umas 2 horas e depois voltou tudo ao mesmo. 6 em 6 minutos uma dor muito forte por uns 10 segundos. Eu nem queria acreditar que pudesse ser o parto. O marido dizia que aquilo devia ser normal, que não devia ser assim tão forte, que aguentasse, que o médico sabia o que estava a fazer, etc, etc. Sempre que adormecia, acordava e ia ver a última contração e tinha sido há 6 minutos atrás. Não dormi nada.
De manhã, perdi o resto do rolhão, desta vez mais abundante. Fui logo fazer as análises, como o médico pediu. Entrei no laboratório a chorar com dores. Fiz o hemograma e a cultura da bactéria estreptococo B e pedi que fossem entregues ainda naquele dia, pois não sabia o que ia acontecer e precisava mesmo delas. Só me davam o hemograma ao fim do dia, a outra só na semana seguinte.
Fui para casa, e tratei de informar no trabalho que não conseguia trabalhar e que precisava de tirar uns dias. Nem sabia se não ia mesmo entrar em trabalho de parto. Eu tinha que preparar 2 pessoas para me substituírem durante a minha licença, mas só ia fazer isso mais tarde, mais próximo de Maio. Enviei os documentos necessários para poderem fazer o meu trabalho e apressei-me a desligar o pc. Neste tempo todo, tive o raio das contrações de 6 em 6 minutos. Ao início da tarde, fui ao serviço de internamento de obstetrícia e ginecologia ter com a minha cunhada para fazer um travado e ver como estaria a minha pequena. Ela estava bem, mas as contrações já tinham uma grande amplitude. Foi-me aconselhado andar a pé. Quando saí do hospital, já nem me apetecia ir para casa, tais eram as dores. Por mim, tinha ficado logo lá, mas por algum motivo eu recusava-me a acreditar que aquilo fosse o parto. Não podia ser! Eu só tinha 36 semanas e 4 dias. Descansei a gravidez toda, não tinha tensão alta, as análises estavam todas óptimas e no dia anterior o médico não disse nada que o parto estaria iminente. Estive uma meia hora em casa, no escuro e resolvi ir para o hospital, desta vez para as urgências. Fosse o que fosse, nada justificava que eu estivesse com tantas dores e durante tantas horas. Estava exausta pelas dores e pela falta de sono.
No hospital, a minha cunhada entretanto tinha saído do seu turno e acompanhou-me o tempo todo. O médico que me recebeu não se surpreendeu que eu estivesse cheia de dores e perguntou o que é que o meu médico teria na cabeça para me fazer o que fez. Já não me deixaram sair. Fiquei com a confirmação de que o trabalho de parto foi provocado no consultório do médico, no dia anterior. Fizeram-me vários toques e nenhum doeu. Não doeu nada! Depois perguntaram-me pelas análises do terceiro trimestre e não as tinha, claro. Conseguimos o hemograma, mas as outras não. Por causa disso, ficou determinado que tinham que assumir que o resultado era positivo e, portanto, teria que levar uma injeção de penicilina.
Vesti uma bata e chinelos do hospital e levaram-me para a ala dos partos. Fiquei numa sala com umas cintas na barriga, que controlam o bebê. Puseram-me um cateter com soro e ali fiquei ã espera. As dores mantinham-se no mesmo ritmo e intensidade, agora talvez até mais fortes. De vez em quando, faziam o toque. Eu pedia a epidural e as enfermeiras pediam-me que respirasse. Ora, a respiração, nesta fase, não atenua a dor. Simplesmente leva oxigênio ao bebé. Era nisso que eu pensava, mas chegou a um ponto que já não conseguia. E aí, já não eram dores de 6 em 6 minutos. A mim parecia-me tudo seguido e muito prolongado.
Finalmente, fizeram-me mais um toque e chamaram uma anestesista. Tinha um ar muito jovem, de marrona, mas muito simpática e querida. Explicou-me tudo, fez umas perguntas e lá começou o procedimento. Sentei-me na cama, de costas para ela, com as pernas em flor de lotus. Tive que ficar curvada, mas com os ombros relaxados. Deu umas anestesias na pele antes da epidural propriamente dita. Não dói, mas é uma coisa esquisita. Sente-se a agulha a entrar numa área dura, a resistência, a pressão. Picou-me várias vezes, talvez fruto da inexperiência. O pior disto tudo foi mesmo não me poder mexer durante as contrações. Sim, elas continuavam lá. De resto, é tudo muito suportável. Uns 5 minutos depois, as contrações eram muito mais leves, 10 minutos depois, sentia as contrações sem dor e logo a seguir já nem sentia nada. Sente-se sempre as pernas, mas com um formigueiro. Adorei a sensação da epidural. A dor acabou ao fim de 20 horas de sofrimento. Não há dinheiro no mundo que pague essa sensação.
Entretanto, começaram outros procedimentos e já nem sei bem por que ordem. Não me lembro porque foi tudo sem dor. Nada mais doeu em mim. Rebentaram-me as águas com a mão. Foi estranho, claro, mas não foi muito desagradável. Depois, algaliaram-me. Tinha muito medo disto, mas não custou mesmo nada. Pediram-me que me fosse virando ora para direita, ora para a esquerda para que a epidural fizesse o mesmo efeito de cada lado. Quando sentisse dor, podia chamar que reforçavam a dose de epidural. E fiquei para ali sozinha, a virar-me de uma lado para o outro, porque a enfermeira mandou a minha família jantar.
Ao fim de algum tempo, comecei a sentir as contrações ao de leve. Ia pedindo a quem entrava na sala que me reforçassem a dose. Não que doesse muito, mas tinha medo que demorasse a fazer efeito e que a dor evoluísse muito. Tinham todos ido jantar. Veio uma enfermeira e resolveu fazer-me o toque e disse que já estava. Chamou a enfermeira que me acompanhou, veio outra anestesista, reforçaram a dose e ligaram para a minha cunhada para regressarem do jantar. Ninguém atendia. Esperámos um pouco. Percebi que o parto se aproximava, mas eu não sentia nada. Nem pressão, nem vontade de fazer força, nada.
Não deu para esperar mais e puseram-me numa cadeira de rodas e fomos para a sala de partos. Subi para a marquesa e disseram-me que não fizesse força ainda, mesmo que tivesse vontade? Também não tinha. Por fim, pediram-me para fazer força e eu só me lembrava que estava ali para puxar e quis despachar o assunto. Usei o que aprendi nas minhas aulas de yoga e nas aulas de preparação para o parto. Inspirei, retive o ar, encostei o queixo ao peito e fiz força. Repeti isto 3 vezes, chega a minha cunhada à sala de partos e põem-me a minha filha na barriga.
Apanhei um susto enorme! A menina parecia um bichinho azulado, cheio de vėrnix a cobrir-lhe o corpo e não chorou de imediato. Já? Era já a minha filha? Limparam-na superficialmente, começou a chorar vigorosamente, pediram-me que cortasse o cordão umbilical e puseram-ma ao peito. Parou de chorar e foi um momento lindo.
A Maria Victória nasceu às 21:25 do dia 17 de Abril, com 45 cm e 2,345 kg.
Depois, chamaram o pai e foram tratar dela. Eu acompanhava tudo, e nem conta dei da expulsão da placenta, nem dos pontos. Fiquei a saber depois que só precisei de 2 ou 3 pontos e fizeram-me uma sutura intradérmica. Retiraram todos os cateteres (soro, algália e epidural) e fui para uma sala com a minha bebé. Permitiram que toda a família nos visitasse e eu estava super bem disposta, sem dores graças à epidural.
A irresponsabilidade do médico que me seguiu podia ter tido outras consequências. Graças a Deus, a minha filha nasceu bem, está bem e eu estou bem. 6 dias depois do parto, sinto-me óptima. Tomei Brufen e Paracetamol para as dores, que não foram muitas. Há 2 dias que não tomo nada.

(Nota do autor: o texto foi escrito num iPad e estou sem tempo para fazer a revisão. Desculpem qualquer erro.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

Peço desculpa pelo atraso, mas o trabalho não me permitiu sentar-me e escrever sobre a visita. E, quando tive disponibilidade, não tive vontade. Ando super cansada, fruto das minhas 34 semanas.

 

Então, na passada quinta-feira, eu e o grupo de grávidas do meu Curso de Preparação para o Parto fomos visitar as instalações do Hospital de Vila Real.

 

Primeira paragem: Bloco de Partos

Fomos guiadas pela enfermeira-chefe do serviço. Aqui, encontramos uma área com várias salas, cada uma com a sua função. Logo na entrada, há uma secretária com um computador que ajuda a monitorizar as senhoras que estão à espera de bebé. Significa que não precisam de estar ao nosso lado para nos acompanharem devidamente. Depois, visitámos uma sala para onde vamos quando já estamos com contracções e aguardamos o parto. Há outras salas destas, que têm 2 camas, ou seja, duas senhoras podem estar aqui em simultâneo. Estava lá uma senhora monitorizada, deitada de lado, bastante calma e sorridente. Aqui, temos direito a ter um acompanhante, mas ele só tem acesso a uma cadeira. Pareceu-me uma situação bastante desconfortável para quem acompanha, caso o trabalho de parto se prolongue por várias horas. Informaram-nos que, se este trabalho de parto de desenrolar durante a noite e estiver demorado, aconselham o acompanhante a regressar de manhã, dado que nesta fase não se passa grande coisa. A mãe deve descansar e preparar-se para o parto. É aqui que se administra a epidural. Caso o parto se precipite e não haja tempo para levar a mãe para a sala de parto, propriamente dita, a cama facilmente se transforma numa cama obstétrica e o parto pode ser realizado ali mesmo.

Caso tudo corra dentro do previsto, quando for a hora do parto, somos levadas para outra sala, ali ao lado, onde é feito o parto. A cama é igual, mas sem a parte inferior. Tem uns suportes para as pernas e uns apoios para os braços, onde nos agarramos quando for para fazer força. O acompanhante pode estar presente, desde que não haja outra parturiente na sala (sim, há essa possibilidade!) e que não haja complicações. Falaram-nos dos "microlax" antes do parto e do que pode acontecer durante o parto. Sim, as senhoras podem fazer cocó, mas pareceu-me que o pessoal de enfermagem não está minimamente preocupado com isso. Ao lado, há uma zona para onde levam o bebé para ser limpo e vestido. Muitas vezes, é o pai ou acompanhante que veste o bebé, enquanto a mãe está a ser tratada.

Noutra sala, pudemos ver alguma incubadoras. Não são incubadoras para bebés com problemas. Eles só ficam aqui até a mãe poder receber o bebé. É mais quentinho. Aqui também colocam umas pulseirinhas nos pés, com alarme, para que os bebés não possam ser roubados.

 

Segunda paragem: Serviço de Internamento de Obstetrícia

No quarto andar está o serviço de obstetrícia para onde vamos após termos descansado do parto. Quem nos fez a visita guiada foi, nada mais nada menos, do que a minha cunhada. A tia da minha princesa é enfermeira neste serviço e explicou-nos tudo. Levou-nos a uma sala onde se dá banho aos bebés. O primeiro banho é dado pelo pessoal de enfermagem e é nesta altura que é administrada ao bebé a vacina da BCG. O segundo banho é dado pela enfermeira, com a ajuda da mãe, para que possa aprender como se faz. Depois, estamos por nossa conta. É dada uma outra vacina, já no quarto, mas não me lembro para quê. Fomos, também à sala de amamentação. Esta sala é muito bonita e serena e permite às mães estarem mais resguardadas durante a amamentação. Isto para o caso de partilharem o quarto com outra senhora ou se tiverem visitas no quarto. Ali, também há bombas de amamentação e todos os problemas são minimizados. Apesar de incentivarem à amamentação, todos os desejos das mães são respeitados. Quem não pretende amamentar, não o fará. Não visitámos nenhuma enfermaria, pois estavam todas ocupadas.

 

Em suma, o Bloco de Partos, apesar de mais amigável do que eu pensava, continuou a ser assustador para mim. As pessoas eram todas muito simpáticas, mas não consigo abstrair-me do que se passa por lá. O internamento é absolutamente normal, não assusta. Queria muito fazer esta visita para me descontrair mais um pouco, mas não consegui. O pânico mantém-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:21


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D