Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Herpangina

07.11.15

Na noite de quarta para quinta, a Maria Victória estava muito agitada. Não dormiu bem. Chegou mesmo a chorar um pouco, e só sossegou com o meu colo. De manhã, senti-a um pouco febril. Fomos buscar o recém-adquirido termómetro digital, que mede a temperatura na testa e na orelhe, e não funcionava. É o que dá a tecnologia. Ela ia sair para os avós, então pedi-lhes que vissem a temperatura lá. Tinha mais de 38º. Pronto, começaram logo as preocupações. Ela alternava entre estados de choro e de brincadeira. O problema foi que não comeu nada o dia todo. Recusou tudo o que lhe era oferecido. 

Quando voltou para casa, chorava, estava ainda um pouco febril, apesar do Be-u-ron. Não costumo ser uma mãe demasiado ansiosa com estas coisas das doenças. Sei que as crianças têm destas coisas e não gosto de lhe passar a minha preocupação. Eram 7 da noite e liguei para uma clínica para ver se alguém a conseguia observar. Não ia conseguir passar a noite sem saber o que a incomodava.

Atenderam-me às 20:30. O diagnóstico foi rápido. Nada nos pulmões, nada nos ouvidos, mas tinha a garganta cheia de úlceras. Tinha HERPANGINA. A médica descansou-me, disse-me que era viral e que em alguns dias isso passava. No entanto, era doloroso. Muito doloroso. Viemos para casa com Ben-u-ron, Ib-u-ron e Ulcermin. 

Têm sido noites e dias complicados, com dores, muito choro, pouco descanso. Continua a comer muito pouco e preocupa-me a desidratação. Espero que os dias passem muito depressa e que voltemos à nossa rotina habitual.

 

O que é, então, a Herpangina?

- É uma infecção dolorosa que afecta a cavidade oral, causada pelo vírus Coxsackie.

- Afecta maioritariamente crianças, especialmente durante o verão e outono.

- A transmissão, na maioria das vezes, ocorre pela via fecal-oral ou por gotículas respiratórias expelidas durante espirros e tosse de pessoas infectadas.

- Normalmente manifesta-se subitamente com febre, disfagia, anorexia, vómito, diarreia, sialorreia e dor de garganta. No período de estado febril, que dura de 1 a 4 dias, surgem na faringe e cavidade oral (amígdalas, úvula e palato mole), pequenas vesículas de coloração branco-acinzentadas, com 3 a 5 milímetros de diâmetro, rodeada por um alo avermelhado. Quando o quadro é grave podem surgir lesões também nas solas das mãos e dos pés.

- Após 2 a 3 dias, as vesículas ulceram. Costumam desaparecer dentro de alguns dias, havendo regressão espontânea das lesões.

- Normalmente, o tratamento é apenas de suporte, uma vez que se trata de uma doença auto-limitante e geralmente termina dentro de uma semana. Indica-se o uso de um fármaco anti-pirético para baixar a febre, bem como outros fármacos, como ibuprofeno e paracetamol, além de agentes anestésicos tópicos para aliviar a dor local.

- É recomendado evitar consumir alimentos condimentados, ácidos e quentes, bem como aumentar a ingestão de líquidos durante o período de tratamento.

 

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Herpangina
http://www.tuasaude.com/herpangina/
http://www.remediocerto.com.br/Artigos.aspx?artID=51
http://www.odontodicas.com/artigos/herpangina.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:48

Ter um filho doente é das piores coisas que podem acontecer a uma mãe. Felizmente, a minha filhota nunca teve nada de grave e, já assim, é assustador que chegue. É nestas alturas que mais penso nas outras crianças que estão doentinhas e nas suas famílias. Que mal terrível!

Na sexta-feira, dei o leitinho à princesa e pu-la a dormir por volta das 10. Até então tinha estado sempre bem disposta, com apetite, activa e até falou com o pai e com os avós no facetime. Quando me fui deitar, por volta da 1 da manhã, fui vê-la e estava a dormir. No minuto seguinte, ouvi um barulho e estava ela de gatas na cama e começou a vomitar.Foi tudo muito rápido. Vomitou mais 2 ou 3 vezes, até já não ter leite no estômago. Entre cada episódio, dormia no meu colo. Estava mesmo cansada. Depois, começou a vomitar bílis. Vi logo que já era mais sério e liguei para a Saúde 24. Mandara-me ir logo com ela para o hospital.

Como estamos em casa da minha mãe, fomos ao hospital de Chaves. Aquilo à noite é assustador. Vazio, parece um hospital fantasma! Esperámos imenso tempo, apesar da pulseira amarela. A minha menina vomitou bilis na viagem e no hospital várias vezes enquanto aguardava para ser vista por um Clínico Geral. O Hospital de Chaves não tem pediatras das 8 da noite às 8 da manhã. O médico, que atendia doentes adultos e crianças em simultâneo, lá chegou e disse logo que ela tinha que ficar internada. Era muito pequenina, precisava de soro para não desidratar. Não tinha febre, nem diarreia. Era só mesmo o problema de estar a vomitar bílis.

Lá ficámos no hospital e fomos para a Pediatria. Mais um serviço fantasma. Fomos recebidas por 2 enfermeiras que trataram de recolher sangue para análise e pô-la a soro. Isto foi o pior de tudo! Não sei se foi falta de cuidado ou se foi por ser de madrugada e as senhoras estarem a descansar quando chegámos, mas achei tudo um verdadeiro massacre. Queriam fazer tudo com uma só picada, verter o sangue para os frasquinhos e pôr o soro. Não conseguiram porque a veia "fugiu" e tiveram que fazer pôr o cateter na outra mão. Estar ao lado da minha queridinha e vê-la chorar de dor, sem perceber o que lhe estava a acontecer... Só dizia "bebé" e "mão". Nem é bom lembrar! 

Depois, fomos para o quarto, adormeceu no meu colo e depois foi para a cama. Sempre que se mexia, o aparelho do soro apitava, pois impedia que o soro fuísse normalmente. Quando acordou às 6 da manhã ficou num pranto depois de perceber que não estava em casa. E o meu colo só a sossegou passado algum tempo. É tão triste quando o colo da mãe não resolve... Depois de ter estado a soro, não voltou a vomitar. Ao pequeno-almoço bebeu chá e comeu um bocadinho de pão. Só já queria era brincadeira. A primeira visita, logo de manhã cedo, foi a do meu pai. Encarregou-se de percorrer aquele corredor para cima e para baixo com ela. Foi conhecer o outro hóspede, o Miguel, um menino de quase 2 anos. Depois chegou a minha mãe. A Mia adormeceu e eu também. Não foi muito agradável dormir numa cadeira (apesar de mais confortável do que eu esperei) com a roupa do corpo. Ao longo do dia foi petiscando pão e chá, não conseguiu almoçar (mas eu também não iria querer comer aquilo!), mas comeu a papa que lhe prepararam para o lanche. Depois, ainda recebeu as visitas do outros avós e da tia. O pai, infelizmente, está a trabalhar longe. 

As análises estavam boas, parou de vomitar, já comia, no entanto, ninguém me sabia dizer se ela continuava internada ou não. Fui com a tia falar com a pediatra e descobrimos que havia indicação do pediatra anterior para que continuasse internada. No entanto, a avaliação que ele fez foi antes dela comer. Não havia motivos para ela ficar ali, ansiosa, triste, limitada no espaço e com o braço preso a uma coisa. Esta pediatra concordou que ela podia ir embora e saímos ao fim da tarde de sábado.

Em casa, continuou com a dieta, sem gorduras, sem leite, bebeu muito chá à colher e só quer brincadeira. Hoje já bebeu o leitinho de que tanto ela gosta e não houve qualquer reacção. Está óptima, graças a Deus!

O que é que ela teve? Pois, não sei! Mas acho que me passou qualquer coisa, porque também não me sinto lá muito bem. Provavelmente, mais uma virose.

(Adorou passear no carrinho improvisado. As crianças vêem sempre o lado positivos das coisas. )

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14

Dias difíceis

08.01.14

Os mais sensíveis não devem ler este post, dado que vou falar de hemorróidas.

 

Ainda há pouco tempo falei desta maleita aqui e já fui assolada por ela. Os últimos dias têm sido muito, muito difíceis. Isto já está a tornar-se insuportável e tenho mesmo que falar com o meu médico. Se eu fico neste estado durante a gravidez, imagino aquando do parto...

 

Estive uns dias sem ir à casa-de-banho, tomei um microlax e resolvi o assunto. Nessa mesma noite, visitei uns amigos e bebi uma bebida solúvel açucarada e uns snacks. De certeza que a conjugação da má alimentação com a obstipação/laxante me provocaram isto. É incrível como um único dia de prevaricação pode desencadear este problema.

 

Desde então, tenho tido dores horríveis, quase não me consigo mexer. Tudo o que tomo demora muito tempo a fazer efeito. Estou com medicação de emergência, Daflon, desde a manhã de ontem. À noite, tomei paracetamol para as dores porque já não aguentava mais. Tento sempre não abusar de medicação, mas foi insuportável. Na farmácia, por estar grávida, deram-me uma pomada mais suave. Ora, suave não me faz nada. A pomada Fitoroid tem substâncias naturais, confere uma sensação de frescura, mas receio não me ter feito mais nada. Também não gosto nada da sensação de frescura, por ardia imenso.

 

Não dormi nada esta noite, andei sempre a fazer banhos de assento, que sempre me aliviam um pouco. Nem sei se consigo transmitir o desespero em que me encontro. Isto é mesmo horrível. 

 

Estou a ficar em pânico com a possibilidade de ficar neste estado, ou pior, no parto e ter de tratar da minha filhota. Isto é completamente incapacitante. Estou a ponderar seriamente fazer cesariana só para me escapar disto.

 

Alguém já passou por isto? O que tomam?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:22

...

08.11.13

Detesto queixar-me e não gosto muito de pessoas que estão sempre a queixar-se. Aliás, já desactivei o meu LIKE de páginas onde as pessoas estavam sempre a queixar-se. Ou eram elas ou eram os filhos, ou era a tosse, ou era a febre, mais uma queda, mais uma ida ao hospital. Não tenho muita paciência para isso. Já temos que lidar com os nossos problemas, e ainda temos que levar com as queixas dos outros?

 

Hoje sou eu que estou doente... E estou grávida. Pela primeira vez, consegui colocar-me no lugar de algumas pessoas. A minha preocupação não é apenas comigo, mas também com o bebé que tenho na barriga. Fico aterrorizada só de pensar que para me tratar posso fazer mal ao bebé. Sinto-me mal e acho que isso pode fazer mal ao bebé.

 

Infelizmente, tal como tanta gente, sinto necessidade de partilhar as minhas ansiedades e medos com o mundo, na esperança de conseguir encontrar conforto, alguém com o mesmo problema. Provavelmente, estou a aborrecer alguém que terá problemas mais graves do que os meus. Espero que não deixem de me ler. Amanhã será melhor. Espero.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 11:36

Saúde 24

06.11.13

Hoje liguei para a Saúde 24.

 

Acordei de madrugada, dormi mal. Estava cheia de dores de garganta, toda entupida. Ontem, andei a chá de gengibre, mel e canela e tomei dois Ben-U-Ron. Bem sei que precisava era de um anti-inflamatório, mas devido à gravidez sei que não é possível.

 

Logo de manhã, liguei para a Saúde 24. Foram muito simpáticos e atenciosos. Mesmo sendo uma mera dor de garganta, fizeram imensas perguntas, ora relacionadas com a dor de garganta, ora com a gravidez. Senti-me bastante segura.

 

Prescreveram-me pastilhas para a garganta da marca Duk, de 2 em 2 horas, até 3 dias no máximo, soro fisiológico ou água do mar para adultos para o nariz, e continuar com o Ben-U-Ron de 8 em 8 horas, até 5 dias no máximo. Para além disto, muitos líquidos mornos e prestar muita atenção à febre e a eventuais pontos brancos na garganta.

 

Esta linha é fantástica e espero que nunca acabe. Evitaram-me uma ida ao hospital (possivelmente, vinha de lá pior e ia atrasar os serviços a quem precisaria mesmo de estar lá) e assim posso ficar descansadinha em casa a recuperar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:54


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D