Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há 2 coisas que me custam imenso fazer ao cuidar da minha filha. E não tem nada a ver com fraldas sujas.

 

Pô-la a arrotar.

No hospital disseram-me para a segurar na vertical depois dela mamar e aguardar 15 minutos até ela arrotar. Se ela não o fizesse, podia pô-la a dormir. Era muito simples. Raramente arrotou nas primeiras semanas. Eu nem sabia como os bebés. Pensava que era aquele ar que eles deitam fora, mas não. Os bebés arrotam como gente grande. É impossível não identificar um arroto de bebé porque é exactamente igual aos nossos. Com o avançar do tempo e respectivo aumento da quantidade de leite para mamar, percebi a importância do arroto. Vale a pena insistir mais um pouco. No caso da minha filha, se a deitar logo vai bolçar de certeza. Perante isto, o meu marido é capaz de estar 2 horas à espera que ela arrote. Ora, nem 8 nem 80. Custa muito, sobretudo durante a noite, ainda meio a dormir, estar a segurá-la ao colo na vertical à espera do desejado arroto. Pesquisei imenso sobre isso, perguntei lá no facebook como as mães fazem para pôr os seus bebés a arrotar e não há uma receita mágica. Primeiro, nem sempre o bebé precisará de arrotar. Só se engolir ar é que ele terá que sair, tal como acontece connosco. No bebé é mais provável que aconteça, mas pode não acontecer. Depois, pode ter engolido ar e não o ter incomodado. Daí não ser necessário estarmos 2 horas a torturar o bebé e a nós próprios. Segui os conselhos de toda a gente. Eu queria era uma forma rápida dela arrotar para podermos descansar todos mais um pouco. No meu caso, pô-la no ombro não faz nada. Com a minha sogra resulta deitá-la e logo a seguir sentá-la. A minha mãe segura-a por baixo dos braços e também arrota. Comigo descobri por acaso. Um dia, depois de ter estado imenso tempo à espera que ela arrotasse, desisti e precisava de fazer umas coisas em casa. Agarrei nela com um braço e tratei do que precisava de fazer. Acho que foi a pressão exercida ali na zona no estômago conjugada com o facto de estar na vertical que fez com que saísse um grande arroto. A partir daí, fiz sempre isso. Resulta às vezes. Detesto fazer isto. E o pior é que os bebés não falam, por isso não sei se precisa ou não de arrotar. Estou ansiosa para que deixe de precisar de arrotar. É uma canseira!

 

Vestir e despir.

Quando descobrimos que vamos ser mãe de uma menina, é impossível não pensar nas roupinhas e acessórios. Sempre imaginei que fosse uma coisa divertida. Não é. Vestir um recém-nascido é do pior que há para mim. Conseguir enfiar um braço e mais outro braço. Depois uma perna e outra perna e novamente a primeira perna que entretanto saiu do sítio. Não gosto nada. E talvez não goste porque sou obrigada a fazer isto várias vezes por dia. A minha filha bolça imenso e suja-se toda. Mesmo com babetes e fraldas de tecido, assim que a deito lá escorre um bocadinho de leite pela boca em direcção às costas dela. É uma rotina que se repete umas 3 vezes por dia, às vezes mais. O pior é de noite, quando já lhe dei o leite e a mantive sempre na vertical e depois lhe vou mudar a fralda. Correu tudo bem até que deita todo o leite fora. Toca a trocar a roupa e depois dar novamente leite porque ficou cheia de fome. Nunca mais chega o calor para ela vestir menos roupinha. :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:19


1 comentário

Imagem de perfil

De Life Inc a 06.06.2014 às 15:36

A minha raramente arrotava e nos primeiros tempos eu stressava imenso com isso, depois cheguei à conclusão que era mesmo dela e aguardava uns minutos, se arrotasse muito bem, se não paciência. Mas também era certo que não bolsava.

xoxo
cindy

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D