Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Passamos grande parte na nossa vida a evitar uma gravidez. Ensinam-nos como na escola, no Centro de Saúde, na farmácia, em casa. Dão pílulas, dão preservativos, há imensas opções para não se ter um bebé. Não podemos ter filhos porque somos ainda muito jovens, porque não temos relações estáveis, porque temos que terminar os estudos, porque precisamos de arranjar um emprego, porque precisamos de progredir na carreira, porque as finanças domésticas não permitem... 

Quando, finalmente, se toma a decisão de ter um filho, engravidar pode não ser assim tão fácil. Confesso que só decidi ter a minha filha porque me aproximava dos 35 anos. Sabia que depois podia ser tarde demais e eu queria muito ser mãe. Felizmente, a coisa correu bem e engravidei rapidamente. Apesar de eu estar preparada para conseguir engravidar nos dois anos seguintes e ter ficado verdadeiramente surpreendida com o teste positivo, admito que me senti frustrada naqueles 2 ou 3 meses em que menstruei, apesar de não tomar a pílula. Comecei a questionar-me se algo não estaria errado comigo.

A infertilidade é bastante mais comum do que pensamos e afecta 1 em cada 6 casais. Em sociedades conservadoras, como a nossa, achamos facilmente que o problema é da mulher. Eu cheguei a ouvir um homem dizer "Ela nunca me conseguiu dar filhos!" e, afinal, o problema era dele, mas é muito embaraçoso para um homem admitir que possa ser infértil. Em 40% dos casos, o problema está com o homem, em 40%, com a mulher, 10% com ambos, e em 10% dos casos, a causa é desconhecida.

Um casal com infertilidade sofre, muitas vezes, em silêncio. Não só não tem o seu bebé tão desejado, como ainda tem que conseguir ficar feliz quando a prima ou a amiga ficam grávidas novamente, tem que arranjar desculpas para os outros para ainda não ter filhos e tem que saber gerir a frustração pessoal dentro do casal. Muitas relações não sobrevivem, mesmo, a esta provação. Assim que um casal decide juntar os trapinhos, começam as perguntas de quando vão ter filhos, e porque é que não têm filhos e há quanto tempo estão juntos... e têm de se rir e responder "um dia destes". Há uma pressão social muito grande e isso pode ter um impacto terrível num casal.

Pelas conversas que fui tendo com mulheres que atravessam este problema, é comum sentirem-se culpadas por não conseguirem gerar um filho. Muitas tentam há meses, outras há anos. Umas têm um problema médico diagnosticado, outras não têm qualquer problema físico. Perdem a vontade de trabalhar. Para quê? Para quem? O que fazer a todo o amor que têm dentro de si, se não o puderem passar a um filho? Isolam-se do mundo porque precisam de chorar à vontade.

O meu conselho é que chorem quando precisarem de chorar e depois levantar a cabeça e toca a lutar. Tão importante como procurar ajuda médica, é tratar a cabecinha. Precisamos de estar preparadas psicologicamente, seja para enfrentar a dureza dos tratamentos, seja para viver uma eventual gravidez ou mesmo para aceitar que o bebé tão desejado nunca vai chegar. Para todas estas realidades, temos que estar bem.

Toda a gente conhece pelo menos uma história de alguém que tentou durante anos engravidar, sem sucesso. Quando, por fim, aceitou que não podia ter filhos ou adoptou uma criança, a gravidez acontece. Deixou de haver pressão, ansiedade, stresse, a atenção virou-se para outro lado. É surpreendente, não é?

Não tenham receio da palavra infertilidade. Hoje em dia, não é uma sentença definitiva. Graças a clínicas especializadas, como a IVI, que dão todo o apoio médico necessário para ultrapassar estes problemas, um bebé é possível, sim. Foquem-se no vosso objectivo e visualizem-no. Abram espaço na vossa vida para um bebé. Nunca me esqueço desta frase "Quando o discípulo está pronto, o mestre aparece." Não adianta de nada pensarem em tantas mulheres que abortam, tantas gravidezes indesejadas, pais que não gostam dos seus filhos. Isso não vos trará o vosso bebé. Preparem-se de TODAS as formas possíveis para receber um filho.

Quem deseja muito ter um filho, tem, sem dúvida, uma vontade imensa de dar amor a alguém. Como é óbvio, e posso testemunhá-lo, ter um filho é amar para além do imaginável. Mas não deixem de ser felizes porque não puderam conceber fisicamente um bebé. Em primeiro lugar, a nossa felicidade individual não deve depender de ninguém, seja filho, pai, marido, amigo. Depois, quem quer amar pode distribuir amor por outros lados e fazer outras pessoas muito felizes.

Muita força a todos e ficamos a aguardar muitos testes positivos.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D