Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Eu faltei a muitas aulas de preparação para o parto. Fui com muito entusiasmo, mas depois achei que havia algum fundamentalismo relativamente a alguns tópicos. Não gosto disso. Como eu trabalhei sempre muito até ao fim, chegava ao fim do dia sem grande vontade de ir ouvir muita coisa que eu já sabia. Então, ficava a descansar no sofá. Claro que isso fez com que eu não aprendesse muitas coisas que eu não sabia. Um dos vários tópicos que eu perdi foi o da amamentação.

 

Para mim era, garantido que eu ia amamentar. Fui amamentada até aos 22 meses e só tinha boas referências da amamentação. Sempre pensei que fosse uma coisa absolutamente natural. O leite saía, o bebé mamava, eu ficava magra e o bebé crescia forte e saudável. Sempre achei que amamentar ou não amamentar era uma questão de escolha. Umas, mulheres más e egoístas que não queriam estragar o peito e preferiam manter a sua independência, escolhiam dar leite adaptado. As outras, mulheres decentes que amam os seus filhos, amamentavam.

 

Quando a minha filha nasceu, às 36 semanas, de parto provocado por um médico incompetente numa consulta de rotina, foi imediatamente colocada no meu peito, para aquecer e para mamar. A pobrezinha não mamou porque não saía nada e deram-lhe um leitinho num copinho. E eu continuava sem leite e ao longo dessa noite, veio a enfermeira com o leitinho no biberão. No dia seguinte, o leite não desceu, nem subiu, nem sinais dele. Puseram-me numa bomba de extração e nada. E todos me diziam que não havia qualquer problema, que o que não tinha remédio remediado estava, que o leitinho adpatado era muito bom, etc., etc.

 

4 dias depois da minha filha nascer, acordei com o pijama todo molhado. Tinha leite! Tratei de a pôr na mama, mas ela não queria. Chorava muito porque queria comer comidinha em abundância. Era muito sôfrega a mamar e na minha maminha não conseguia retirar nada. Arranjaram-me uma bomba e mamilos de silicone. Os últimos nunca resultaram. Passei a retirar o meu leite com a bomba e dava tudo o que podia à minha filha. Passava o dia naquilo e anotava tudo. Só mesmo quando nao tinha é que dava leite adaptado. Ia pondo na maminha, mas o desespero dela pelo biberão não me deixava insistir. Não conseguia vê-la a chorar com fome.

 

Se, no início, dava apenas 1 dose de leite adaptado por dia, rapidamente isso mudou. A quantidade que produzia não chegava para as suas necessidades. Então, era uma luta por mais uma gotinha que eu pudesse tirar. E eu andava de rastos. Quando só produzia 20 ml por dia, deliberadamente deixei de extrair leite. Já não aguentava mais.

 

O que correu, então, mal? Por que não conseguia eu amamentar normalmente?

Para mim, foi a combinação de vários factores:

 

1 - Cansaço e stress.

Sempre li que as pessoas deviam ir ter filhos e não dizer nada a ninguém para não terem visitas. Que atrapalham mais do que ajudam. Eu estava preparada para ganhar alguns inimigos e mandar as pessoas embora, mas a verdade é que eu me sentia bem. Estava super fresca. Parecia que nem tinha tido um filho. Tive o quarto do hospital sempre cheio de pessoas e raramente dormia entre os cuidados à minha filha. Na altura, nem sequer senti essa necessidade. Devia ser a adrenalina ou as hormonas. Vim para casa e a romaria continuou. De dia, eram as visitas, à noite eram as fraldas e o leite. Dormir que é bom, não acontecia. O marido ajudava, mas pouco. Ora estava a dar de mamar e a mudar fraldas, ora estava a tirar leite com a bomba. Estava exausta, angustiada por não conseguir amamentar e stressada com muitas outras coisas.

 

2 - Má alimentação.

A alimentação cuidada que tive durante a gravidez simplesmente desapareceu. Eu chegava a passar dias inteiros sem comer. Se alguém me trouxesse comida, eu comia, caso contrário metia umas bolachas à boca de vez em quando, mandávamos vir (má) comida de fora... Era o caos. O marido não cozinha, eu não tinha tempo, logo não me alimentava. Foi muito, muito mau. E só bebia quando tirava leite com a bomba. Dava-me uma sede inacreditável. Continuo a não me alimentar convenientemente, felizmente já ninguém sofre com isso, a não ser eu.

 

3 - O biberão.

Apesar da minha filha ter nascido antes do seu tempo, tinha bons reflexos de sucção. Mamar não era problema. Até mamava muito bem. Era, e ainda é, muito sôfrega. O biberão é o ideal para ela. A minha maminha não lhe dava o que ela queria, na quantidade que queria, então eu fui fraca e cedi à sua vontade.

 

4 - A culpa.

Como eu me sentia muito culpada por não conseguir amamentar, à minha volta tentavam desvalorizar. Não deviam. Eu devia ter-me munido de ajudas (sobretudo para evitar os problemas referidos acima) e devia ter vivido para alimentar adequadamente a minha filha. Fui pressionada para regressar ao trabalho e fi-lo ao fim de 1 mês e meio. Quem é que aguenta? Eu não aguentei.

 

5 - A ajuda técnica.

Pouco tempo depois da minha filha nascer, procurei a enfermeira das aulas de preparação para o parto. Só tinha 2 dias disponíveis e só de manhã. Num deles era melhor não ir porque ia estar a tratar de papelada, por isso podia ir no outro entre as x e as x horas. Eu andava exausta e não fui. E pronto. Ainda pedi ajuda num grupo de amamentação. Uma pessoa disponibilizou-se para me ajudar, mas também era por telefone. E eu sem tempo. Esqueci a ajuda técnica. Tudo aquilo que referi para trás não ia mudar. Como é que eu ia conseguir amamentar, se eu estava sozinha nessa luta e eu própria com pouca vontade de lutar?

 

Desisti.

 

Eu não sabia, mas agora já sei. Se eu tiver a coragem de dar um irmão a esta filha que tanto amo, há erros que não vou cometer. Sobretudo, quem vai comandar as coisas vou ser eu. Eu preciso de fazer apenas o que eu quero e não o que me dizem para fazer. Acabaram-se os palpites e imposições. Não me vou importar de ser a má da fita, porque há algo que se sobrepõe a isto tudo. Vou criar todas as condições para amamentar e vou fazê-lo.

 

Ainda consegui tirar uma foto e fazer um pequeno vídeo da minha filha a ser amamentada por mim. Não imaginam a quantidade de vezes que os vejo. Sei que não fiz tudo o que devia, mas fiz o máximo que as minhas forças permitiram. O vínculo que se estabelece durante a amamentação e ao qual eu não tive acesso, estou a tentar estabelecê-lo estando sempre com a minha filha. Quero ser eu a fazer-lhe tudo e quero aprender tudo por ela. Está linda e saudável, mas a culpa de não lhe poder dar o melhor seguro de saúde que há ninguém ma tira.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36


2 comentários

Sem imagem de perfil

De STC a 21.08.2014 às 06:32

São 05h45 da manhã e leio este texto com a minha bebé de 3 meses e meio na maminha e fico emocionada... revoltada também! Não pela mamã, que bem conheço toda a agonia que passou, mas pelos profissionais que a acompanharam nas primeiras horas de vida da sua bebé e que não a motivaram, pelo contrário, fizeram tudo errado. Não sou técnica da área, sou apenas uma mãe de duas crianças amamentadas e sei, como eles também deviam saber, que o leite só desce ao 3 ou 5 dia após o parto, e que até lá o peito está mole, com aspecto de vazio, apenas a produzir colostro. Também deviam saber que nesse curto período o bebé deve ser posto à mamã variadissimas vezes ao longo do dia, não só para estimular o peito, como para que o bebé tomasse o gosto não só pelo alimento, como pelo mimo e aconchego do peito materno. E principalmente deviam saber que o leite adaptado num recém-nascido deve ser dado em doses mínimas para que nunca o bebé tivesse uma sensação de barriga cheia, coisa que as maminhas da mamã não conseguem fazer nos primeiros dias até o leite descer.

Do meu primeiro filho (há 2 anos atrás) tentaram fazer-me isso, dar-lhe suplemento porque ele chorava muito... E muitas vezes íam buscá-lo ao quarto, naqueles 5 dias em que estive internada, para lhe darem suplemento, e claro que ele voltava pouco interessado na maminha e em vez de mamar, adormecia. Mas ainda assim, eu punha-o no peito quase o dia todo para que ele ficasse consolado no contacto com a minha pele e a sentir o meu cheiro, para que não gostasse mais do biberon que de mim, nem que fosse para dormir! Eu sabia que era uma questão de dias até as minhas mamas explodirem de leite. Mas não deviam as enfermeiras saber disso também? Não deviam ser as próprias a deliberar este incentivo? A pô-lo no meu peito a toda a hora? Felizmente, no último dia de internamento, apanhei uma enfermeira super defensora da causa e que perdeu umas horas do seu tempo a motivar-me e a explicar-me todas as dificuldades e etapas pelas quais ía passar e que não deviam desmotivar-me porque eram normais e seriam passageiras até que a amamentação normalizasse. Foram 2 horas com aquela enfermeira que valeram ouro e depois, já em casa, ainda liguei para o hospital para falar com esta mesma enfermeira que voltou a orientar-me com uma paixão e dedicação, únicas!

Agora, com a minha bebé de meses, não lhe dei até hoje nada mais do que mama. Nos primeiros dias, com as maminhas moles e sem leite, bebeu o colostro (aquela aguadilha que ainda não é leite não é nada e que mal se vê), depois, ao quarto dia apareceu o leite e continuamos com o peito. Tive dores horríveis, como já esperava, porque produzia mais leite do que ela mamava e o peito encaroçava, ía à bomba 2 a 3 vezes ao dia para aliviar, tomava duches de água quente, fizeram-me massagens e sei lá mais o quê. Não foi fácil, mas tive o apoio incondicional das enfermeiras (super experientes e preparadas para as dificuldades da amamentação) que me motivaram sempre para não desistir.

Claro que devias ter-te alimentado bem, ter bebido muita água e ter descansado bastante - é fundamental para ter leite abundante e de qualidade - mas isso é na continuação, mas ali nos primeiros dias que são fundamentais ao bom sucesso da amamentação, na minha óptica, foste muito mal acompanhada e aconselhada e isso é revoltante! Lamento profundamente tudo o que passaste porque sou uma defensora acérrima da amamentação e ouvir estas histórias de mau acompanhamento das mamãs que têm toda a vontade do mundo em amamentar e que, depois de darem à luz, precisam de um apoio extra e bem articulado para serem bem sucedidas e não o têm, revolta-me de sobre maneira!

Não te culpes, deste o teu melhor. Ter um bebé pela primeira vez é colossal! É gastarmos todas as nossas energias físicas e mentais, é chegarmos ao nosso limite e continuar ainda mais e mais, para lá de todas as forças, é chorar e desesperar, é não comer, é não dormir, é ser tudo novidade e nós não sabermos nada de nada... Em suma, é uma violência enorme! Por isso digo-te que se não conseguiste não foi por tua causa, foi de quem devia, de quem está lá para te motivar e incentivar, de quem supostamente devia ser sensível à questão e aconselhar-te da melhor forma, de quem devia ter estado sempre ao teu lado naqueles primeiros dias para te ajudar.

Desculpa o testamento mas sou muito sensível a está questão e senti necessidade de dizer tudo isto só para te reconfortar. Acredita que com o segundo filho será tudo diferente.

Beijinhos grandes.
Imagem de perfil

De por Mara Moura Sampaio a 21.08.2014 às 11:43

Muito obrigada pelo comentário.
Também o estou a ler enquanto dou o biberão à minha menina de 4 meses. E também estou muito emocionada. Aliás, eu escrevi o meu texto com os olhos sempre cheios de lágrimas, tal é a dor que ainda sinto. Tento não pensar muito nisto, mas senti que precisava de deitar isto tudo cá para fora.
Agradeço do fundo do coração as suas palavras! Ajudou muito.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D