Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Hoje fui fazer a ecografia do final 1º trimestre. Estava muito ansiosa porque esta ecografia é muito importante e já pode detectar algumas malformações.

 

Correu tudo muito bem, graças a Deus. Sinceramente, até fiquei um pouco desiludida com a qualidade de imagem da ecografia. A imagem não é muito diferente da das 11 semanas, continua a ter pouca definição, mas é o possível por agora. Também vi o bebé em 3D, em tempo real. Foi possível confirmar a presença dos ossinhos do nariz, os bracinhos, mãozinhas, pernocas e pés. Perguntei pelos fémures, mas ainda não se vêem com clareza. Porém, era visível a translucência da nuca. So far, so good. Está tudo bem com o nosso bebé.

 

Depois, estivemos a conversar sobre vários assuntos. Foi muito interessante.

 

O sexo da criança - Durante a ecografia, eu ia perguntando sobre as perninhas, o tamanho, etc. O meu marido, muito sério, pergunta sobre o sexo. Nesta fase, o pénis e o clítoris têm o mesmo tamanho, logo é impercepível. Quando viu o ar de desiludido do meu marido, o médico prontificou-se a receber-me de hoje a 2 semanas só para vermos o sexo. Iupi!!

 

Rastreio bioquímico - O rastreio bioquímico não é assim tão importante como dizem. Aparentemente, o nome é mais pomposo do que a sua eficácia. A ecografia que fiz hoje é mais poderosa do que o rastreio bioquímico. O ecógrafo é muito potente e mais exacto. Há muitos falsos positivos com o rastreio. Amanhã, de qualquer forma, vou fazer a minha recolha de sangue no hospital.

 

Amniocentese - Fiquei com uma dúvida enorme dentro de mim. O médico diz que, aparentemente, está tudo bem com o meu bebé. Nada indica que possa haver malformações e /ou problemas crossomáticos, mas também não há 100% de garantias. O facto de ter 35 anos, neste momento, pelo que já foi observado, não é um risco maior do que se tivesse 20 anos. No entanto, mesmo que haja 1% de possibilidades de o meu bebé ter problemas graves, essa possibilidade existe. E só é detectável pela amniocentese. Quando lhe ia perguntar o que ele faria no meu lugar, deixou bem claro que é uma decisão que só eu poderei tomar. Confesso que estou inclinada para fazer a amniocentese. Os riscos para o bebé são mais reduzidos, hoje em dia.

 

Peso - Engordei 2 kg desde o início da gravidez. E ouvi um sermão! 2 kg em 3 meses é muito? O mais engraçado foi ver o meu marido a apoiar o médico. Ele tem pânico que eu fique gorda (E eu também...). O médico disse que 9-10 kg até ao final da gravidez era o ideal, mais do que isso parecia mal. Resumindo, nada de hidratos de carbono. Tenho a impressão que vou emagrecer e passar muita fominha.

 

Exercício físico - Quebrei mais um mito. O meu marido, chocado por ter eu engordado tanto (!), disse ao médico que eu ainda não tinha regressado ao ginásio, em jeito de queixa. O médico quase que proibiu. Disse que se passar 9 meses sem exercício nada me acontecerá. Que, caso comece a sentir contracções ou perdas de sangue, podemos associar ao exercício. Só mais tarde recomendam caminhadas para acelerar o trabalho de parto. Se quiser controlar o peso, controlo a boca. Para já, deixo-me estar descansadinha no sofá. Convenhamos, é mesmo onde me apetece estar.

 

Este é o meu bebé. :)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D