Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Estou a precisar muito de falar sobre este tema porque eu vivo com ansiedade.

Aos vinte e poucos anos, em plena época de exames determinantes para terminar o curso, tive o meu primeiro ataque de ansiedade. Na altura, não sabia o que era. Estava sozinha em casa, sem namorado, sem colega de casa. Comecei a sentir umas palpitações estranhas, calor, sentia que podia desmaiar a qualquer momento... Liguei a uma amiga e fomos ao centro de saúde porque eu achava que aquilo só podia ser uma gripe. Não era gripe. Não tinha febre, não tinha nada. Desvalorizei.

Uns meses mais tarde, já trabalhava como professora estagiária, voltei a ter a mesma sensação. Estava a morar sozinha numa casa dos meus pais e tinha passado o verão toda orgulhosa de ser independente. Morar sozinha, ter o meu ordenado, tudo perfeito. Na segunda noite que lá dormi, a minha mãe liga-me a dizer que o meu pai estava um pouco adoentado e febril. Minutos mais tarde, começo a sentir eu essa febre, calor e o desmaio iminente. Resolvi ir dormir a casa dos meus pais. Pelo caminho senti-me pior e dirigi-me ao hospital. Como é óbvio, não detectaram nada, mas, pela primeira vez, receitaram-me um calmante. Ou seja, identificaram claramente o problema, mas não me disseram nada. Quando vou à farmácia aviar a receita é que percebi que eles achavam que eu não estava bem da cabeça. Não tomei nada do que me receitaram porque era uma medicação forte e eu tenho uma aversão a remédios. Sobretudo deste tipo.

Já não voltei a morar naquela casa. Lá se foi a independência! Passei a ficar com os meus pais porque eu precisava desse conforto e desse mimo. Grande parte desse ano lectivo foi vivido com ansiedade, com as palpitações, o medo, sei lá. Achei que era por estar a estagiar, fui levando a coisa da melhor forma possível. A primavera chegou e tudo se diluiu. O estágio correu muito bem, já não havia grandes motivos para estar ansiosa. Nunca procurei ajuda médica, nunca tomei nada. A ansiedade não me afectou a vida porque eu nunca deixei de fazer nada. Pontualmente, tinha uns episódios de ansiedade, sobretudo em espaços fechados com muita gente, por exemplo em discotecas. Uma amiga minha já sabia que eu tinha que me colocar perto da saída e não podia estar em locais mais apertados. Se eu me sentisse segura, estava tudo bem.

Quase 10 anos mais tarde, fiquei a saber o que é ter ansiedade que nos paraliza por completo. Já tinha saído de casa e já tinha regressado novamente. Os meus pais divorciaram-se quando eu fiz 30 anos. Vivi tudo com eles e foi dolorosíssimo. Nunca pensei que me custasse tanto, sendo eu uma adulta em vésperas de me casar. Se, por um lado, eu sabia que que era o melhor para todos, por outro lado, perde-se qualquer coisa dentro de nós que nunca mais se recupera. Voltaram as palpitações e o medo, mas de uma forma avassaladora e intensíssima. Não conseguia estar em casa sozinha. Se a minha mãe precisasse de sair, a minha vizinha tinha que ficar lá. Não conseguia andar de carro sozinha. Felizmente, nunca deixei de conduzir, mas tinha que estar sempre acompanhada. Fiquei com pânico de andar em auto-estradas porque não podia sair quando quisesse. Deixei de ir a locais públicos, tipo cafés, restaurantes, bares... Deixei de estar com todos os meus amigos, pois eu não saberia como explicar que não conseguia estar com eles. Afastei-me. Sempre que eu tentava contrariar os meus medos, era ainda pior. Começa a sentir-me mal e as pessoas não percebiam porque é que eu insistia que tinha que ir embora, fugir dali. Fazia figura de idiota. Os meus pais e o meu namorado (hoje meu marido) tentavam compreender o que eu tinha, mas não conseguiam. Eu própria não sabia por que tinha aquilo. Sempre fui uma pessoa que saía imenso à noite, de dia, andei milhares de kilómetros de carro, vivi sozinha em 2 cidades que não a minha, não percebia o que era aquilo, mas era muito mau. A minha vida parou durante uns meses e eu deixei de existir. Se estivesse em casa, no meu ambiente, estava bem. Não me sentia deprimida ou triste, apenas queria ficar quieta em casa. O facto de eu trabalhar em casa também não ajudou muito. Nunca precisei de perder um único dia de trabalho que fosse por causa disto, o meu trabalho nunca foi afectado. Aliás, o trabalho era uma excelente desculpa para eu não sair de casa. Durante esses meses fui, até, promovida. Pudera, estava sempre a trabalhar e disponível para tudo!

Como ninguém percebia o que eu tinha, resolvi pesquisar sobre o assunto e rapidamente cheguei à ansiedade e aos ataques de pânico. Foi um alívio ver que o que eu sentia tinha um nome e era muito comum em mulheres da minha idade. Havia realmente um padrão. Resolvi que não podia continuar assim, que a minha vida não podia ficar paralizada, até porque me ia casar dali a pouquíssimo tempo.

Procurei uma médica psiquiatra, que já acompanhava uma amiga minha, mas avisei-a logo que não queria tomar medicação forte. Não queria sentir-me drogada, lenta, pesada, alheada da vida. Ela concordou e receitou-me um ansiolítico e valeriana, apenas. E exercício físico. Esta psiquiatra fez-me psico-terapia, receitou-me livros para eu ler e para discutirmos. Não foi um processo rápido, devido à minha relutância em aceitar medicação mais forte, mas consegui ultrapassar a ansiedade. Confesso que nunca mais fui a mesma pessoa. Houve coisas que nunca mais consegui fazer. Mas consegui casar-me. Foi daqueles dias que eu pensei que fosse morrer. Aliás, a noite anterior foi terrível. Surpreendentemente, o dia do casamento foi calmo para mim. Os ansiolíticos ajudaram imenso. Os meses seguintes foram um desafio. Com passos curtos, lá fui tentando levar uma vida mais próxima do normal. Houve quem nunca tivesse percebido o que eu tive.

Agora, que fui mãe, a nuvem da ansiedade regressou. Não saio de casa, nem consigo sair sozinha. Ir a espaços públicos é terrível, pois estou com medo permanente de desmaiar e é uma angústia enorme. O meu marido força-me a sair, mas a maioria das vezes é penoso e arrependo-me sempre de lhe ter feito a vontade. Ele continua a não perceber porque é que isto acontece. Antes eu saía para todo o lado e agora não consigo. Tenho medo de quê? Não vai acontecer nada. Sair de casa e encontrar uma fila de trânsito é o suficiente para me sentir encurralada, ficar cheia de calor e com tonturas. Tem sido terrível porque é difícil explicar um problema que não se vê. Se eu tivesse uma dor num braço, tudo bem, o braço é visível, dói, é normal. Uma dor que é só minha, só eu é que a sinto e a compreendo, é difícil de explicar. Falar sobre o assunto, ajuda-me. Sempre que tento falar com alguém sobre isto, as pessoas parece que ficam envergonhadas porque não sabem o que me dizer. "Pois, tens de procurar ajuda." Obrigada, a sério. Se estou a falar contigo, é porque te estou a pedir ajuda, não é?

Ninguém gosta de ouvir os nosso lamentos. É aborrecido ouvir as pessoas a queixar-se. Nós queremos é gente falsa ao nosso lado. Gente a quem perguntamos se está tudo bem e nos responde que sim, está tudo excelente. Pessoas que nos poupem aos seus problemas. As pessoas já têm que levar com as suas desgraças, não têm tempo para resolver as nossas. O mundo actual está desenhado para pessoas que vivem e resolvem os seus problemas sozinhas. Que escondem e camuflam os seus sentimentos e mostram sempre a mesma cara aos outros. Infelizmente para mim, não consigo ser assim. Talvez fosse muito mais feliz se conseguisse ter alguns momentos de hipocrisia. De que adianta vivermos em sociedade, inseridos em grupos sociais mais ou menos pequenos, se nem para nos ajudarmos uns aos outros servimos?

Já percebi que, uma vez mais, vou ter que passar por este inferno sozinha. Como das outras vezes, houve um momento de grande stress que despoletou tudo isto. Primeiro foram os exames, depois o estágio, o divórcio dos meus pais e, agora, não foi o nascimento da minha filha, não. Tê-la comigo é o melhor ansiolítico que eu posso tomar. Apesar de muita gente gostar de apontar a gravidez ou a maternidade como desculpa para muita coisa, pois são as hormonas, é a depressão pós-parto... só balelas de quem não quer ver as coisas a fundo. Não, não foi nada disso. Mas a culpa é exclusivamente minha por me deixar afectar por pessoas que não valem um segundo da minha atenção. Até ao dia de hoje aguardei por um pedido de desculpas. Já percebi que não vai chegar e agora também não preciso dele, nem o quero. Podem ficar com as desculpas como recordação. Da minha parte, haja sempre memória para que eu nunca esqueça o que eu estou a passar.

E, já agora, para quem acha que eu falo demasiado sobre mim, só acrescento mais uma coisa (sim, alguém próximo acusou-me de falar muito de mim). Não é isso que todos devíamos fazer? Falar da nossa vida? É que se querem que eu fale dos outros, é só dizerem. Tenho imenso para contar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:31

Em muitas culturas, completar 7 meses ou anos tem um simbolismo muito forte. Sempre aprendi a "cheirar" este tipo de simbolismo ao ler e analisar literatura e rapidamente associei aos 7 meses da minha princesa.

Da Índia, chegou também a lembrança de que é muito auspicioso chegar aos 7.

~

O número SETE é certamente o mais presente em toda filosofia e literatura sagrada desde sempre. O número SETE é sagrado, perfeito e poderoso, afirmou Pitágoras, matemático e Pai da Numerologia. É também considerado um número mágico. É um número místico por excelência. Indica o processo de passagem do conhecido para o desconhecido. O SETE é uma combinação do TRÊS com o QUATRO; O TRÊS, representado por um triângulo, é o Espírito; o QUATRO, representado por um quadrado, é a Matéria. O SETE podemos dizer que é Espírito na Terra, apoiado nos quatro Elementos, ou a Matéria “iluminada pelo Espírito”. É a Alma servida pela Natureza.

O número QUATRO que simboliza a Terra, associado ao TRÊS, que simboliza o Céu, permite inferir que o SETE representa uma Totalidade em Movimento ou um Dinamismo Total, isto é, a Totalidade do Universo em Movimento.

O SETE é o número da Transformação, é a primeira manifestação do homem para conhecer as coisas do espírito, as coisas de Deus, a Criação. Ele é o número da Perfeição Divina, pois no sétimo dia Deus descansou de todas as suas obras. Ao lado do TRÊS, é o mais importante dos números sagrados na tradição das antigas culturas orientais.

Entre os judeus, a concepção oriental do SETE manifesta-se no Candelabro de sete braços (MENORAH), que representa tanto a divisão em Quatro partes da órbita da Lua, que dura 4 vezes 7, quanto os sete planetas.

Na Europa Medieval dava-se muita importância aos grupos de sete:

 

  • Havia SETE dons do Espírito Santo, representados na arte gótica em forma de Pomba;
  • SETE eram as virtudes;
  • SETE eram as artes;
  • SETE as ciências;
  • SETE eram os sacramentos;
  • SETE pecados capitais; e
  • SETE pedidos expressos no Pai Nosso.

Na Antiga China, o SETE deveria ser associado, enquanto número ímpar, ao princípio masculino do Yang, mas exprimia a ordenação dos anos de vida da mulher, que hoje se sabe estão presentes de forma similar também na vida do homem. A repetição por sete dias também era importante no culto dos mortos: a cada sete dias depois do falecimento, até o 49o.dia eram organizados festejos e sacrifícios em memória do morto. No sétimo dia do sétimo mês ocorria uma grande festa para as jovens mulheres e as moças.

Podemos citar ainda várias outras “coincidências” (?) em relação ao SETE: São 7 as notas musicais, foram 7 as pragas do Egipto, são 7 os Arcanjos, são 7 as obras de misericórdia. 7 são os níveis de densidade da matéria que nos envolve. O arco-íris tem 7 cores. As nossas células todas mudam de 7 em 7 anos. Temos 7 glândulas endócrinas. São sete os nossos chacras. Os 7 dias da semana também marcam profundamente nossos ritmos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55

No Dia Internacional da Prematuridade, partilho-vos a história de uma prematura de 25 semanas, que eu conheço pessoalmente. Leiam o relato da Maria, uma prematura de quase 20 anos, que vos fala na primeira pessoa.

 

É uma história linda de esperança e fé na medicina e nos pequenos grandes guerreiros.

 

10799302_768377459884563_4020266_n.jpg

"Prematuros"

Fotografia de António Barreto, 2003

 

Por estes dias ouve-se muito falar de uma Margarida que nasceu com 25 semanas, no Dubai. No entanto, eu conheço uma Margarida que nasceu há quase 20 anos, também com 25 semanas, e hoje está aqui!

Nasci a 28 de Novembro de 1994, com 750 gramas e 32 cm. Devido ao meu baixo peso e ao tempo que tinha fui logo batizada, ficando inicialmente o meu nome a ser Maria. Logo de seguida fui transportada de emergência para a Maternidade Júlio Dinis, no Porto.

No Porto estive mais de três meses. Tão depressa aumentava o peso, como diminuía. Era um grama de cada vez…

As enfermeiras sempre me viam perguntavam à minha mãe se eu só me ia chamar Maria. Um mês depois de eu ter nascido, fui registada com o nome de Maria Margarida, nome de que gosto muito, mas não gosto que me chamem assim… (É sinal que a minha mãe me está a repreender).

Durante as férias de Verão, li um livro da Fundação Francisco Manuel dos Santos escrito por João Pedro George, um pai prematuro, chamado Prematuros. Enquanto, o lia pensava “coitadinhos destes bebés”. Não podia pensar isso de mim porque não me lembro de ter estado na incubadora apesar de, ter boa memória. Percebi bem o que os pais dos bebés prematuros sentem ao ver os filhos dentro da incubadora, cheios de tubos e máquinas à volta. Senti isso, quando há mais ou menos dois anos pedi aos meus pais se me podiam levar à Maternidade Júlio Dinis. Fui nas férias de Verão. Quando lá cheguei, pensei que não ia encontrar lá ninguém que tivesse cuidado de mim, mas mal entro a porta que dá para a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, aparece uma das médicas que me tratou quando eu era muito pequenina. Conheceu-me logo, quase dizia o meu nome completo, porque reconheceu a minha mãe. Ajudou-me a concretizar o sonho de visitar a UCIN, arranjou uma bata para mim e lá entramos para eu conhecer a Unidade. À entrada reparei numa parede com fotografias de meninos e meninas, uns mais velhinhos do que outros, que deviam ter estado lá internados. Depois desse painel, viramos à direita, mas voltamos para trás, ou seja, para o lado esquerdo. Neste lado, havia três incubadoras, de cuidados intensivos, mas só duas é que estavam ocupadas. Do lado direito, eram as incubadoras dos bebés maiorzinhos, que mesmo assim não eram muito maiores do que os que estavam nos cuidados intensivos. Já não sei quantos estavam, nem sei se os cheguei a contar. Uns dentro das incubadoras arragadinhos ao dedo da mãe, ou do pai, outros a receberem cuidados e carinho das enfermeiras, ou ao colo da mãe, ou a beberem leitinho através do biberão, que esmo sendo dos mais pequenos, pareciam uma “coisa” gigante.

Se, por acaso, alguém for mãe, ou pai de um bebé prematuro não se esqueçam que o vosso filho/a vossa filha precisa do vosso amor, carinho e dedicação. Como li no livro que vos falei, “os pais são a primeira incubadora dos prematuros”.

Hoje, estou a uns dias de fazer 20 anos, meço 1,55m, tenho um problema de visão chamado Retinopatia da Prematuridade, mas que está controlado, ando no 2ºano de Administração Pública, na Universidade do Minho, e sou feliz! J Tudo isto graças aos meus pais, aos médicos e às enfermeiras, aos amigos e às orações de muitos, alguns que eu nem conheço que intercederam por mim ao Senhor e foram atendidos, à família e aos Professores que me ajudaram a crescer!

 

Maria Margarida Pires

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30

Daqui a dois dias, a minha filha fará 7 meses. 7 meses de gravidez (8 de gestação, menos um porque não sabia que já estaria grávida), mais 7 meses nos meus braços. Está na minha vida há pouco mais de um ano e, no entanto, parece que esteve sempre aqui. Já não imagino a minha vida sem ela. Não imagino os meus dias sem ela. E morro, morro de saudades quando não estamos juntas. O meu marido diz que eu sou obcecada, e eu não podia estar mais de acordo. Ele pode chamar-lhe o que ele quiser. Eu amo a minha menina. Para além, disso adoro estar com ela e cuidar dela. Por mim, (e isto acho que foi determinante para ele achar que é uma obsessão) eu dedicava todos os meus dias e horas à minha filha e deixava de trabalhar. "Alto e pára o baile! Deixavas de trabalhar!? E ficavas a fazer o quê o dia todo?" Os homens ainda acreditam que uma mulher que não trabalha fora de casa não faz nada. Nem vale a pena argumentar. Mas eu adorava ser mãe a tempo inteiro. Logo eu que sempre fui contra isso. A primeira profissão que eu tive foi professora. Fui um bocado contrariada, mas fazia parte do curso e teve de ser. E, mesmo antes de o ser, já tinha decidido que não seria professora. Fui surpreendida e adorei o ensino. Mantive-me na área durante mais uns anos e as contingências que todos conhecemos afastaram-me da profissão. Fiz carreira noutra área, deu-me prazer ser promovida, crescer profissionalmente, ser desafiada a fazer sempre novas coisas. Isso continua. Estive apenas um mês e meio de licença de maternidade e trabalhei até ao dia em que a minha filha nasceu. Parece que, desde que sou mãe, que ainda há mais desafios e novos projectos. Não quero ser ingrata, mas o que eu queria mesmo era ficar só com ela. Como é óbvio, actualmente são poucos os que se podem dar ao luxo de rejeitar trabalho. Por isso, tenho é que ser grata, agarrar as oportunidades e contribuir para o sustento da minha família. Com isso, tenho que privar-me da minha filha. E morro de saudades. Durante a manhã, e não me perguntem como o faço, eu trabalho e trato dela. No início era mais fácil. Era um bebé mais pequenino, dormia mais, era silenciosa... Agora, é o cabo dos trabalhos. Exige atenção! Estou muitas vezes a trabalhar no computador, com ela ao colo, só com uma mão. Faço chamadas de conferência enquanto lhe dou de mamar. Já cheguei a fazê-lo enquanto lhe mudava uma fralda. É uma ginástica indescritível e, se me dissessem que eu ia fazer isto, eu não acreditava. Ultimamente, durante a tarde ou parte da tarde, tem ido para os avós. Muitas vezes, admito, sinto um certo alívio porque finalmente posso comer ou trabalhar sossegada com as duas mãos. Depois, olho para a cadeira de refeições e está vazia, olho para o tapete de actividades e está vazio, olho para a alcofa e está vazia. Os brinquedos dela espalhados por todo o lado. Na televisão continua a dar a BabyTV. E é aí que eu morro de saudades. E choro muitas vezes e nunca me hei-de habituar a estar longe dela. É muito injusto termos de optar entre sustentarmos a nossa família e abdicarmos dela, mesmo que por poucas horas. Sinto-me imensamente culpada e espero que ela não se sinta abandonada. Não está em nenhuma creche, está com pessoas que a amam muito e tratam bem dela, mas continua longe de mim. E eu morro de saudades. Eu sei que isto não é nada comparado com situações bem mais dramáticas que outras famílias possam passar. Mas este é o meu pequeno grande drama e magoa-me imenso. Também acho profundamente injusto não lhe poder dar total atenção de manhã. De tarde nem sequer estou com ela. À noite, quando eu já acuso o cansaço de um dia cheio de agitação e trabalho, é quando tento compensar e matar as saudades que me foram matando ao longo do dia. Enquanto escrevo isto, ela dorme pacificamente ao meu lado, no berço (sim, ainda não tive coragem de a passar para o quarto dela...). A minha vontade era mexer-lhe, fazer-lhe festinhas, mordiscá-la, rirmos juntas. Mas ela precisa de dormir, claro. Acho que isto também define a maternidade. Fazer aquilo que não queremos, tomar decisões difíceis, levar com a crítica de quem não tem que tomar as nossas decisões e morrer de saudades dos nossos bebés.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:40

Se tiverem mais de 40 anos, homens ou mulheres, e um bocadinho de tempo, não deixem de colaborar com este estudo. Obrigada.

 

Exmo/a Sr/a,

 

Venho por este meio convidá-lo/a para participar no estudo EVISA: Experiências de Vida I Saúde na idade Adulta. Este estudo tem como objetivo avaliar a qualidade de vida, saúde, suporte social, e satisfação relacional e sexual da população adulta Portuguesa, e destina-se a homens e mulheres com 40 ou mais anos de idade. A sua participação consiste no preenchimento de um breve questionário, disponível através da internet, sendo a sua participação totalmente anónima e confidencial. Ninguém, para além da equipa de investigação terá acesso aos seus dados, para que não seja possível identificá-lo/a.

 

Este estudo está a ser desenvolvido no ISPA – Instituto Universitário, por uma equipa de investigadores da área da Psicologia da Saúde: a Professora Doutora Filipa Pimenta, o Professor Doutor Pedro Alexandre Costa, a Professora Doutora Isabel Leal, e o Professor Doutor João Marôco.

 

A sua participação é de elevada importância para que possamos conhecer de forma objetiva e abrangente as experiências dos homens e mulheres, e identificar as necessidades específicas da população adulta Portuguesa.

 

 

Se é HOMEM, preencha o seguinte questionário: http://www.questionarios-online.com/survey.asp?3F0ED2F4220646B3B7060C1906AB9BAA

 

 

Se é MULHER, preencha o seguinte questionário: http://www.questionarios-online.com/survey.asp?B3ACE0252C7448419844A3B90C72F190

 

 

 

 

Agradecemos desde já a sua atenção. Para além da sua participação, convidamo-lo/a também a divulgar este estudo pelos seus familiares, colegas e amigos para que possamos obter um número de questionários significativo e fiel à realidade Portuguesa.

 

Se desejar contatar a equipa responsável por este estudo, poderá fazê-lo através do email evisa@ispa.pt

 

 

Pela equipa do estudo EVISA,

Pedro Alexandre Costa

Unidade de Investigação em Psicologia e Saúde

ISPA – Instituto Universitário

Rua Jardim do Tabaco, 34

1149-041 Lisboa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:55

Passamos grande parte na nossa vida a evitar uma gravidez. Ensinam-nos como na escola, no Centro de Saúde, na farmácia, em casa. Dão pílulas, dão preservativos, há imensas opções para não se ter um bebé. Não podemos ter filhos porque somos ainda muito jovens, porque não temos relações estáveis, porque temos que terminar os estudos, porque precisamos de arranjar um emprego, porque precisamos de progredir na carreira, porque as finanças domésticas não permitem... 

Quando, finalmente, se toma a decisão de ter um filho, engravidar pode não ser assim tão fácil. Confesso que só decidi ter a minha filha porque me aproximava dos 35 anos. Sabia que depois podia ser tarde demais e eu queria muito ser mãe. Felizmente, a coisa correu bem e engravidei rapidamente. Apesar de eu estar preparada para conseguir engravidar nos dois anos seguintes e ter ficado verdadeiramente surpreendida com o teste positivo, admito que me senti frustrada naqueles 2 ou 3 meses em que menstruei, apesar de não tomar a pílula. Comecei a questionar-me se algo não estaria errado comigo.

A infertilidade é bastante mais comum do que pensamos e afecta 1 em cada 6 casais. Em sociedades conservadoras, como a nossa, achamos facilmente que o problema é da mulher. Eu cheguei a ouvir um homem dizer "Ela nunca me conseguiu dar filhos!" e, afinal, o problema era dele, mas é muito embaraçoso para um homem admitir que possa ser infértil. Em 40% dos casos, o problema está com o homem, em 40%, com a mulher, 10% com ambos, e em 10% dos casos, a causa é desconhecida.

Um casal com infertilidade sofre, muitas vezes, em silêncio. Não só não tem o seu bebé tão desejado, como ainda tem que conseguir ficar feliz quando a prima ou a amiga ficam grávidas novamente, tem que arranjar desculpas para os outros para ainda não ter filhos e tem que saber gerir a frustração pessoal dentro do casal. Muitas relações não sobrevivem, mesmo, a esta provação. Assim que um casal decide juntar os trapinhos, começam as perguntas de quando vão ter filhos, e porque é que não têm filhos e há quanto tempo estão juntos... e têm de se rir e responder "um dia destes". Há uma pressão social muito grande e isso pode ter um impacto terrível num casal.

Pelas conversas que fui tendo com mulheres que atravessam este problema, é comum sentirem-se culpadas por não conseguirem gerar um filho. Muitas tentam há meses, outras há anos. Umas têm um problema médico diagnosticado, outras não têm qualquer problema físico. Perdem a vontade de trabalhar. Para quê? Para quem? O que fazer a todo o amor que têm dentro de si, se não o puderem passar a um filho? Isolam-se do mundo porque precisam de chorar à vontade.

O meu conselho é que chorem quando precisarem de chorar e depois levantar a cabeça e toca a lutar. Tão importante como procurar ajuda médica, é tratar a cabecinha. Precisamos de estar preparadas psicologicamente, seja para enfrentar a dureza dos tratamentos, seja para viver uma eventual gravidez ou mesmo para aceitar que o bebé tão desejado nunca vai chegar. Para todas estas realidades, temos que estar bem.

Toda a gente conhece pelo menos uma história de alguém que tentou durante anos engravidar, sem sucesso. Quando, por fim, aceitou que não podia ter filhos ou adoptou uma criança, a gravidez acontece. Deixou de haver pressão, ansiedade, stresse, a atenção virou-se para outro lado. É surpreendente, não é?

Não tenham receio da palavra infertilidade. Hoje em dia, não é uma sentença definitiva. Graças a clínicas especializadas, como a IVI, que dão todo o apoio médico necessário para ultrapassar estes problemas, um bebé é possível, sim. Foquem-se no vosso objectivo e visualizem-no. Abram espaço na vossa vida para um bebé. Nunca me esqueço desta frase "Quando o discípulo está pronto, o mestre aparece." Não adianta de nada pensarem em tantas mulheres que abortam, tantas gravidezes indesejadas, pais que não gostam dos seus filhos. Isso não vos trará o vosso bebé. Preparem-se de TODAS as formas possíveis para receber um filho.

Quem deseja muito ter um filho, tem, sem dúvida, uma vontade imensa de dar amor a alguém. Como é óbvio, e posso testemunhá-lo, ter um filho é amar para além do imaginável. Mas não deixem de ser felizes porque não puderam conceber fisicamente um bebé. Em primeiro lugar, a nossa felicidade individual não deve depender de ninguém, seja filho, pai, marido, amigo. Depois, quem quer amar pode distribuir amor por outros lados e fazer outras pessoas muito felizes.

Muita força a todos e ficamos a aguardar muitos testes positivos.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D