Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Esta é uma história muito bonita, por isso merece ser contada mesmo desde o início.

Quando estava grávida, descobri que há uma tabela chinesa que desvenda o sexo do bebé, tendo em conta a data em que foi concebido e a idade da mãe. A mim prometia-me um rapazinho, mas não podia estar mais errada. Em Junho, resolvi perguntar às mães que seguem esta página no facebook se a tabela chinesa resultou no caso delas. As respostas foram imensas e as mais variadas e isso despertou a atenção do Departamento de Comunicação d'O Laboratório da Grávida, que resolveu presentear as minhas leitoras com um Teste de Determinação de Sexo Fetal, o chamado "Menino ou Menina". Para quê confiar em tabelas chinesas, se podemos ter a certeza científica?

Lancei o passatempo, fiz o sorteio e informei a vencedora. Dias depois, chegou uma mensagem que me emocionou:
"(...) Eu estou neste momento a fazer um tratamento de infertilidade, na IVI. Espero conseguir o meu positivo em breve e por isso decidi concorrer ao passatempo! Foi uma maneira de sentir que estava a dar mais um passo! Espero que tenha sido um bom presságio, ter ganho este prémio!
Tem sido um caminho complicadote, quase 2 anos a tentar ter o nosso bebé. Muitos testes negativos, muitos exames, nem sempre agradáveis e com resultados muitas vezes frustrantes.. Mas agora espero eu que aconteça muito em breve! Tenho a certeza que vale muito toda a espera, todos os sacrifícios que fizemos até agora, para termos o nosso feijoca nos braços! Já passamos por momentos de frustração quando não sabíamos o que se passava connosco. Mas, desde que começámos a ser acompanhados, ficamos muito mais descansados, por estarmos em boas mãos! "

Eu acredito que nós fazemos o nosso caminho e, naquele momento, eu sabia que por algum motivo o random.org tinha seleccionado o nome da Rita. Eu não conhecia a Rita e ela não me contou a sua situação antes do passatempo. Também não conheço nenhuma das histórias das outras pessoas que concorreram. Acredito que todas elas mereciam o teste e cada uma delas teria muito para contar, também. Mas, a Rita não estava grávida, queria muito um bebé e acreditou. E eu sei que o universo não dorme e logo trata de pôr as coisas no seu devido lugar.

2 meses depois, outra mensagem que ainda hoje me arrepia:
"Tal como lhe tinha prometido, aqui venho eu dar novidades!
Pois é, o seu feeling estava certo: foi um bom presságio ter ganho o passatempo do teste de determinação do sexo fetal! O nosso tratamento deu positivo à 1.ª tentativa! A nossa feijokinha já está connosco! Estou na 7.ª semana da nossa tão desejada gravidez e o coraçãozinho já bate!
Estamos tão felizes, a planear tudo para recebê-lo/a! Entretanto vou falar com a (...) para marcar a realização do teste!"

E, menos de um mês mais tarde:
"Hoje completamos 10 semanas da nossa feijoka! Fiquei de lhe dar notícias e aqui estou: já fizemos o teste de Determinação do Sexo Fetal! Vamos ter um menino! O meu marido está todo entusiasmado! Eu fiquei super feliz e, no fundo, já sentia que sabia! Sempre imaginei que ia ser um menino e sempre foi mais fácil pensar em nomes de menino do que de menina! Agora estamos na fase de escolher o nome... Temos 3 ou 4 na lista e andamos a "testá-los" ."

A vida deste bebé só está agora a começar e, no entanto, já temos isto tudo a contar sobre ele. Esta foi uma experiência muito inspiradora e espero que sirva de incentivo a outros casais. Agarrem-se a estes pequenos detalhes que podem trazer verdadeiros milagres às nossas vidas e acreditem. A mim... são estes casos que me fazem voltar ao blogue e à página todos os dias, mesmo estando muito cansada. Por fim, nada disto seria possível, claro, sem a generosidade d'O Laboratório da Grávida.

Digam lá se esta não é uma história muito bonita?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

A parentalidade é tentar fazer algo que nunca ninguém soube fazer bem, diz Sadhguru. Mesmo aqueles que têm 12 filhos estão sempre a aprender. Podem criar bem os primeiros 11, mas o 12º pode ser o cabo dos trabalhos. Sadhguru dá-nos dicas essenciais para criarmos bem os nossos filhos.

 

  1. Criar a atmosfera certa 

Saber criar a atmosfera necessária pode ser o maior desafio. Alegria, carinho, amor, disciplina, responsabilidade, tanto em nós, como em casa. Se dermos amor e apoio aos nossos filhos, a inteligência deles vai florescer naturalmente. Lembrem-se, os nossos filhos não têm que seguir os nossos passos na vida. Eles devem fazer coisas que nós nem sequer tivemos a ousadia de pensar. Só assim haverá progresso. Eles devem estar um passo à nossa frente, com mais alegria, menos medo, menos preconceito, menos constrangimentos, menos ódio, menos miséria. Esforcemo-nos para deixar seres humanos melhores do que nós no mundo, em vez de putos mimados.

 

  1. Conhecer as necessidades dos filhos

Muitos pais têm tantas aspirações e ambições para os seus filhos que os sujeitam a demasiado sofrimento e dificuldades. Querem que os filhos sejam aquilo que eles não foram, querem realizar as suas ambições através dos seus filhos e isso é extremamente cruel. Outros, por outro lado, dão tanto aos seus filhos que os tornam inúteis e incapazes. Há uma fábula que ilustra isto muito bem.

Um dia, um yogi viu um casulo ligeiramente rachado e a borboleta no seu interior lutava para sair do casulo, que era muito rijo. O yogi viu isto e, com toda a sua compaixão, abriu o casulo para que a borboleta pudesse sair. Quando saiu, a borboleta não conseguia voar. Era essa luta para sair do casulo que permitia à borboleta fazer uso das suas asas e voar. De que serve uma borboleta se não conseguir voar? Muitas pessoas, naquilo que acham que é o seu amor pelos seus filhos, tornam os seus filhos borboletas que não conseguem voar.

 

Não há uma regra para as necessidades de uma criança. Cada criança é diferente e não devemos estabelecer comparações. Cada uma precisa de uma dose diferente de atenção, de amor, de disciplina. Resta-nos conhecer as necessidades dos nossos filhos.

 

  1. Aprender com os filhos

Muitos pais acham que se tornam professores assim que um filho nasce. Na verdade, é exactamente o oposto. Quando nasce um bebé, chega a hora de aprender. A única coisa que temos que ensinar a um filho é a sobreviver porque viver já ele sabe. Um aduldo já passou por vários tipos de sofrimento, a criança não, ainda não tem influências. Por isso, só temos de aprender com eles e não ensinar.

 

  1. Deixar a criança ser

Pais verdadeiramente preocupados com os seus filhos devem criá-los de forma a que os seus filhos nunca precisem dos pais. O processo de amar deve ser sempre libertador e não opressor. Por isso, quando um bebé nasce, devemos deixá-lo olhar à sua volta, passar tempo na natureza, passar tempo sozinho. Não devemos impor as nossas ideias, religião ou moralismos. Temos que permitir que cresça, que a sua inteligência floresça, que olhe a vida através dos seus olhos e não através da sua família ou da sua riqueza. Os pais devem ajudá-lo a aprender por si próprio, a usar a sua inteligência para ver o que é melhor para si.

 

  1. Ser alegre e estar em paz

Para criarmos bem uma criança, a primeira coisa a fazer é ser feliz. E nós bem sabemos como é difícil ser-se feliz nos dias de hoje, com tanta tensão, raiva, medo, ansiedade, inveja... O que é que eles vão aprender? Quem quer mesmo educar bem uma criança deve tornar-se numa pessoa querida, alegre e em paz. Quem conseguir executar esta mudança em si próprio, conseguirá ser bem-sucedido a educar uma criança.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:57

Quantas vezes ouvimos dizer que precisamos de mais crianças, que o país está envelhecido?

Precisamos de muitos filhos com pais que os deixam sozinhos em casa? Que os deixam à responsabilidade dos irmãos mais velhos, também eles crianças? Precisamos de muitos filhos que sejam educados sem conhecerem os pais, que aprendem a desenrascar-se sozinhos na rua? Precisamos de muitos filhos em famílias disfuncionais onde são trazidos ao mundo para aguentarem os casamentos dos pais?

Eu acho é que precisamos de bons pais, seja com muitos ou poucos filhos. Precisamos de pais que amem as suas crianças, que as queiram ter perto de si. Precisamos de pais que não coloquem o trabalho à frente da família, mas que trabalhem muito pensando nela. Precisamos é de crianças felizes, educadas, boas e saudáveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:16

Enxoval do bebé

24.10.14

Nos últimos tempos, muitas mães têm-me abordado para perguntar sobre o enxoval do bebé. Lembro-me perfeitamente de andar em pânico com o número de babygrows e fraldas. São 12 ou 15? Para 1 mês, 3 meses? De molas? Que confusão. Publiquei, na altura, esta lista de enxoval que tinha encontrado na Internet.

 

Agora, que tenho 6 meses de mãe, parece-me mais do que oportuno fazer uma revisão à lista, acrescentando os meus comentários em Itálico e negrito. E, lembrem-se, não precisam de comprar tudo antes do bebé nascer.

 

Lista

 

Roupa
● 12 fraldas de pano de algodão - Eu já tenho muitas mais, de vários tipos, mas todas de algodão. Fui comprando. Nunca são demais, até porque se vão usando sempre.
● 6 bodies interiores manga comprida (tamanho 50 cm)
● 6 bodies manga comprida (tam. 56 cm – 1 mês)

● 6 bodies manga comprida (tam. 62 cm–3 meses)

Os bodies merecem um parágrafo inteiro. Eu só tinha bodies de manga comprida de 1 mês e de 1-3 meses. Acontece que a minha princesa nasceu muito pequenina (2,345kg) e foi necessário ir comprar bodies de tamanho 00 e 0. Como vivo na cidade, fui à Zippy e resolvi logo o assunto. Acho que não vale a pena investir em roupa muito pequena, porque se o bebé tiver um tamanho normal é dinheiro desperdiçado. Acabei por ter de comprar imensos bodies.

Os bodies devem ser todos de formato kimono. Esqueçam aqueles que são só de enfiar pela cabeça. São difíceis de vestir e é desconfortável para o bebé. Vão por mim. Quando maiores são os bebés, mais complicado se torna vesti-los. O problema não é a cabeça. Essa passa sem problemas. O difícil é vestir os braços. Escolham sempre bodies com formato kimono e que prendam com molinhas. Os lacinhos são muito bonitos, mas não são nada práticos.
● 6 bodies manga curta (tamanho 3-6meses)
● 6 bodies manga curta (tamanho 3-6meses)

Só comprem bodies de manga curta se estiverem em ambientes muito quentinhos ou no verão.

● 4 babygrows/pijamas (tamanho 50 cm)
● 6 babygrows/pijamas (tamanho 56 cm)

● 4 babygrows/pijamas (tamanho 62 cm)

Os babygrows são, para mim, a peça mais importante de todo o enxoval. Os bebés ficam muito confortáveis, podem movimentar-se livremente e funciona como uma segunda pele. A minha filha não aceitava muito bem babygrows com colarinhos. Só agora, aos 6 meses, é que essas golas deixaram de lhe fazer confusão. Ainda hoje são a peça que ela mais usa.
● 3 calças com pés (interiores)(tamanho 50 cm)
● 3 calças com pés (interiores)(tamanho 56 cm)

As calcinhas com pés são fundamentais para acompanhar os bodies. Body + calças + babygrow.
● 4 camisas (3-6meses)

De preferência em forma de body. Se não for assim, sobe tudo e torna-se desconfortáve para o bebé. Não gosto muito.
● 2 camisolas (1-3meses)
● 4 camisolas (3-6meses)

É a mesma questão das camisas. Eu não gosto de roupa que possa movimentar-se. Como andamos com os bebés ao colo, é meio caminho andado para as camisolinhas subirem.
● 4 calças (3-6meses)

● 2 jardineiras (3-6meses)
● 5 pares de meias (vários tamanhos)

Não usei nem um único par de meias de recém-nascido. Só se forem collants.
● 4 botinhas lã

Não usei, mas dão imenso jeito para aquecer os pezinhos dos bebés. Não apertam e são fofinhas.
● 3 sapatinhos (mas só a partir dos 3 meses)

A minha filha tem sapatos de todos os tamanhos mas pouco os usou. Mesmo os sapatos mais confortáveis são desconfortáveis e eles estão sempre a tentar tirá-los. Há pessoas que acham giro ver um bebé como um mini-adulto e, claro, os sapatos fazem falta para o conjunto. Porém, aos bebés não fazem falta alguma.
● 3 casaquinhos (56 cm – 1mês)
● 3 casaquinhos (62 cm – 3 meses)
● 1 casaco de sair (56 cm)
● 1 casaco de sair (62 cm)

● 2 Casaquinhos sair 3-6 meses

Também usei pouco os casacos. Preferia mantê-la quentinha na manta. Por isso, nada de comprar demasiados casacos. 3 de cada tamanho é exagerado.
● 6 babetes grandes com velcro e forro impermeável
● 6 babetes médios com forro e fecho velcro
● 7 babetes pequenos com forro e velcro

Babetes nunca são demais. Impermeáveis, de felpo, de tecido, do que quiserem. Os babetes de recém-nascido ainda servem à minha filha, que tem agora 6 meses. Efectivamente, prefiro os babetes que fecham em velcro. São mais fáceis de colocar e tirar com uma só mão. Os de mola exigem 2 mãos e o clique pode acordar um bebé que dorme. Os que apertam com um cordel não são nada práticos, mas são adaptáveis a qualquer tamanho.
● 3 barretes/toucas (0-1)
● 4 barretes/toucas (1-3)
● 1 Par luvas

Não comprei luvas.

● 3 Sacos bebé

Não comprei.

 

Quarto

● Espreguiçadeira. A minha filha tem uma normal, com vibração, da Fisherprice. Se tivesse ido a tempo, comprava uma Mamaroo.

● Parque de actividades. Nos primeiros tempos, não é necessário.
● 1 alcofa. A minha alcofa vinha com o carrinho e é rígida, apesar de não ser homologada para carro, usei muito em casa. Dá para elevar a base.
● Forro alcofa. Não sei o que é. Não comprei.
● 2 resguardos alcofa. Comprei, mas não usei.
● 4 lençóis alcofa. Comprei, mas usei os lençós no berço.
● 2 cobertores alcofa. Os bebés não devem usar cobertores. As mantinhas são suficientes.

A minha filha ainda não foi para a cama de grades, por isso falarei deste assunto mais tarde. Ainda dorme num berço tipo sidecar (acho que se chama moisés), colado à minha cama. Assim, tenho acesso directo a ela durante a noite.
● 1 cama grades e colchão

● 1 Protecção grades 360º + forro colchão
● 3 resguardos
● 2 cobertores cama grades
● 1 edredão + 2 capas
● 4 lençóis cama grades
● almofada
● rolos laterais suporte bebé
● cesto roupa suja
● 1 cómoda
● 1 roupeiro
● intercomunicador
● luz presença
● Mobile

● Dossel para cama de grades

● Ursinho Dodoo

 

Exterior
● 1 carrinho
● 1 ovo conversível em alcofa. Há muito poucos modelos destes. Convém pesquisar antes.
● 3 mantinhas. Se tiverem um tamanho maior, podem até comprar mais. Dou-lhes muito uso. De forem tricotadas, certifiquem-se de que não têm buraquinhos. Os bebés enfiam logo lá os dedos.
● saco. Comprem um bem grande. O meu é demasiado pequeno e a tralha é muita.
● brinquedo para ovo

● Porta documentos bebé. Não uso.


Banhos / higiene / saúde
● 1 banheira com suporte e rodas. A minha é da Zippy.
● 4 toalhas banho com capuz. As de recém-nascido cedo deixam de servir. Não comprem mais do que 2. As grandes servem sempre.
● gel banho/shampoo/creme hidratante. Eu uso Uriage e LR.
● 1 termómetro banho. O cotovelo é um excelente termómetro.
● 1 tesoura unhas pontas redondas. Nunca usei esta tesoura nas unhas. Não é prático. Uso um corta-unhas pequeno, sempre que ela está a dormir.
● 1 aspirador nasal. Muito útil, mas deve ser usado com cuidado.
● 1 termómetro para febre (se for dos normais convém escolher ponta mole)
● 1 escova e pente. Só uso a escova.
● 1 esponja natural.
● 20/50 fraldas pequenas ou recém nascido
● 50 fraldas etapa 2
● toalhitas. Prefiro as Dodot Activity.
● creme rabinho. Uso o creme Eryplast. Basta uma embalagem.
● Compressas esterilizadas para olhos e umbigo grande e pequena
● compressas não esterilizadas grandes e pequenas
● Álcool 70º
● algodão (próprio para bebés, que não largam pêlo)
● óleo de amêndoas doces
● soro fisiológico
● cotonetes bebé
● perfume sem álcool. Não comprei e incomoda-me que pessoas com perfumes fortes se aproximem do meu bebé.
● bebegel. O meu aliado contra as cólicas.
● infacol. Nada destas coisas ajudou nas cólicas.
● 2/4 chuchas (2 recém nascido). Usar as amostras que dão. A minha filha não gosta de chupetas.
● 1 guarda chuchas
● 1 corrente chucha

Alimentação

Aguardar para ver se o bebé será amamentado ou não. Podem adquirir um ou 2 biberões para o caso do bebé não poder ser amamentado.
● 4 biberões Avent – 2 de 250 ml e 2 de 150 ml (as tetinas podem ser latex ou silicone com orifícios pequenos). Usei da Chicco e da MUM.
● 1 bomba p/ tirar leite manual Avent. Usei da Medela.
● 1 escovilhão para lavar os biberões. Não comprei. :(
● Esterilizador Microondas Avent. Comprei o esterilizador eléctrico da Chicco.
● aquecedor biberões (comprar só depois de nascer se fizer falta). Não é necessário.
● termo biberões. Só comprei termo para manter a água quente.


Lista Mamã (maternidade)
● exames médicos + caderneta grávida
● creme mamilos. Usei Purelan.
● creme massajar maminhas (trombocid). Não precisei.
● Protectores de mamilos (os da chicos são bons). Usei da Medela.
● discos absorventes (os do continente são óptimos). Usei da Chicco.
● Compressas térmicas para o peito (por ex: Bebé Confort, servem para colocar quentes quando se der a subida do leite, para ajudar a desobstruir, ou a frio no peito dorido ou inflamado). Não comprei.
● discos de gel para mamilos gretados (aquamed produto novo... dizem que dá muito resultado)
● 3/4 camisas de noite abertas à frente. Um pijama aberto à frente faz o mesmo efeito.
● cuecas descartáveis. Não comprei. São completamente desnecessárias. Usei cuecas de algodão normais.
● 2/3 soutiens de amamentação. Os soutiens da WomenSecret são muito bons. Comprei 2, mas davam jeito 3. Amamentei pouco, por isso não foram necessários.
● Faixa ou cinta pós parto (opcional). Não usei.
● elásticos p/ o cabelo
● escova cabelo
● pinturas
● 1 roupão
● 1 chinelos quarto
● 1 chinelos p/ banho
● pensos higiénicos (grande absorção). Os meus eram da Auchan. Comprei 3 pacotes de níveis de aborção diferentes.
● lenços papel
● produtos de higiene
● máquina fotográfica e filmar
● roupa para sair

Malinha bebé (maternidade)
● 4 mudas de roupa, separadas em saquinhos (e identificadas com etiquetas: 1º dia, 2º dia... etc). Usei sacos de congelação grandes.
● 2/3 fraldas de tecido
● fraldas descartáveis (na maternidade só deram para o primeiro dia)
● creme rabinho
algumas instituições disponibilizam produtos para os bebés, mas se souberem antes que não dão convém levar:
● compressas
● toalhetes
● álcool
● creme hidratante

Segundo algumas mamãs é importante acrescentar à lista itens importantes para quando chegarmos a casa:
● Betadine espuma (frasco encarnado) para a higiene da episiotomia
● uma compressa de gel em forma de penso que se pode usar a frio para aliviar as dores dos pontos
● um stock razoável de pensos higiénicos (não é necessário serem todos de grande absorção, depois o fluxo normaliza) tendo em conta que os lóquios duram aproximadamente um mês
● Deixar comida preparada ou assegurar alguém que a faça para os primeiros dias. O ideal seria deixar o frigorífico e a dispensa bem abastecidos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:42

Tinha a minha filha 1 mês e tentei vestir-lhe uns collants. A foto ficou hilariante de tão ridícula. Ela era, de facto, muito pequenina e todos os collants que tentava vestir-lhe ficavam assim. Pareciam sempre tão pequeninos e, afinal, ficavam-lhe todos a nadar. Corremos todos as lojas e não havia nada.

Agora, já temos onde comprar collants de recém-nascido. A loja Hukks, em Vila Real, tem à disposição estes collants da marca GoldFox. E a Hukks envia para todo o país. Enviem uma mensagem para a loja e saibam mais informações.

Collants GoldFox.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:06

IMG_8339.jpg

IMG_8340.jpg


Ontem, demos à nossa princesa a primeira papa. Eu queria ter feito as coisas de outra maneira, mas isto foi o que se arranjou. Desde terça-feira que estamos, eu e a Maria Victória, em casa da minha mãe. O papá ia levar um helicóptero à Alemanha e não ia estar em casa durante uns dias. Como tal, fomos procurar conforto a outras bandas. Eu queria que ambos estivéssemos presentes na primeira papa da nossa filha. Acho que são marcos importantes que vamos querer lembrar. O pai tem andado super ocupado e ainda íamos ter que adiar a papa por mais uma semana. Mas, afinal, teve 1 dia de folga e veio ter connosco. Pronto, teve mesmo que ser ontem. Eu fiz questão que fosse o pai a dar a papa. Ele já faz tão pouco e vive tão pouco estes momentos que fazia sentido que fosse ele. Estas fotos são retiradas do vídeo que gravei. Inicialmente, não gostou muito. Também acho que fiz a papa demasiado líquida. Mas depois insisti mais um pouco e já foi com mais vontade. O papá deu a primeira papa à sua princesa e logo foi embora. A Maria Victória tem 5 meses e uma semana, mais ou menos. Podia beber leite em exclusivo (fórmula) até aos 6 meses. A pediatra sugeriu que se fosse fazendo a diversificação alimentar por esta altura para não haver dramas ou pressas aos 6 meses. Começámos pela farinha láctea por ser o que tem o sabor mais parecido com o leite, o único sabor que lhe é familiar e reconfortante. Assim, vai-se habituando à colher, à textura... No período de 1 a 2 semanas, já estará familiarizada com tudo isto e passamos a introduzir os purés de legumes pela sua ordem e a fruta. Para já, vai comendo pouquinho, vai mais para fora do que fica dentro, mas é assim mesmo que tem de ser. Há bebés que vomitam quando metem os dedos na boca, por isso nada de estranhar se o reflexo deles for rejeitar a papa. Isto não quer necessariamente dizer que não gostam deste ou daquele sabor. É apenas um reflexo biológico que vai desaparecendo. Como é natural, ela continua a preferir o biberão, mas todos os dias vai comer um bocadinho de papa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:47


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D