Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




(Nota prévia: estou a escrever do telemóvel. Peço desculpa pelos eventuais erros ou ideias confusas. Ainda não me consigo sentar ao computador e estou sob o efeito de anestésicos.)

Desde que engravidei que nunca tinha tido dias tão difíceis. Nunca me tinham alertado para o problema das hemorróidas, nem que se poderia tornar tão grave na gravidez. Acho que até os médicos têm uma certa reserva em falar no assunto e, quando ele aparece, só pensam em tratá-lo, sem dar receitas para o eliminar de vez. Depois, há a questão de ser um problema que acontece no rabo. Que horror, que vergonha! Uma senhora não pode ter hemorróidas, uma senhora não pode falar de hemorróidas, uma senhora não se pode queixar de hemorróidas. As hemorróidas servem para apimentar anedotas, divertem toda a gente, causam riso, repulsa, por isso não se pode falar delas como uma condição médica. Quanto a mim, eu sou a primeira a falar no assunto, a quebrar o gelo. Desde que comecei a falar no assunto, descobri que é uma situação muito mais comum do que eu pensava. Mas ninguém fala de hemorróidas. Referem-se a elas como bolinhas, 'aquilo' lá em baixo, fissuras (quando não são fissuras, mas o nome não é tão feio). Tudo serve desde que não se chame os bois pelo nome. Pois, se esta condição tem um nome, é por esse nome que a vou tratar. Já aqui tinha dito que a gravidez me trouxe uma certa obstipação. O útero em crescimento impede que os movimentos do intestino ocorram e há maior dificuldade em ir à casa de banho. Antes deste episódio, tinha estado uns bons dias sem ir à casa de banho e recorri a um microlax. Resolvi o assunto. Nesse dia, fui a casa de uma amiga depois do jantar. Já tinha comida piza ao jantar e lá comi batatas fritas de pacote e uma bebida solúvel bastante açucarada. Erro crasso! 2 erros consecutivos a juntar à obstipação anterior e à pressão que o meu querido útero exerce sobre o ânus. No dia seguinte, já estava muito mal. Trabalhei um pouco, mas como já não aguentava com as dores, fui à farmácia comprar Daflon e uma pomada hemorroidal. O Daflon foi sempre o meu melhor amigo nestas coisas. Como bioflavonoide, ajuda a tornar o sangue mais líquido e desincha. É óptimo para as pernas inchadas, também. A pomadinha que me deram é uma porcaria. O Fitoroid é natural, mas arde imenso e não fez absolutamente nada. Na verdade, nem o Daflon nem o Fitoroid fizeram qualquer efeito. Se isto começou na terça-feira, na quinta de manhã, já não me aguentava. Já tinha passado duas noites sem dormir, cheia de dores e mal me mexia por ser na zona que é. Liguei para a Saúde 24 para saber o que fazer. Dado que estou grávida, aconselharam-me a ir ao centro de Saúde, mas eu resolvi ir logo ao hospital. Pelo menos uma das minhas hemorróidas já estava azul e isso é sinal de coágulo de sangue, logo precisa de ser lancetado. No centro de saúde não me faziam isso. No hospital foi horrível. O meu processo andou perdido. Não sabiam se deveria ir para obstetrícia ou cirurgia. 3 horas depois, já desesperada com dores por estar sentada numa cadeira e exausta, fui à recepção informar que me ia embora porque já não aguentava mais. A senhora foi logo tratar de saber o que se passava e fui logo chamada à obstetrícia. 3 obstetras ficaram a olhar para o meu rabo sem saber o que fazer. Disseram que era grave, que tinha que ir para cirurgia. E deram-me uma novidade: o Daflon é um placebo. Agora percebo porque é que não resultou num caso tão grave. Esta consulta só valeu porque tive a oportunidade de ouvir o coração da minha princesa a bater e vi qualquer coisa no ecrã. Estou a ser seguida no privado e faço ecografias 4D. No hospital, os ecógrafos são uma porcaria. Pelo menos aquele era. Dava uma imagem muito rudimentar. Como gostava que todas as mamãs pudessem ter acesso ao melhor... Fui logo encaminhada para a cirurgia. Tinha 3 médicos à espera. Parecia o mestre e os 2 aprendizes. Mas foram super simpáticos. O mais velho foi muito atencioso, sempre a brincar comigo. Repreendeu-me por só ter ido lá agora. Esteve sempre comigo, a conversar, enquanto os novatos se entretinham. Deram-me 3 anestesias locais. Não preciso explicar o quanto me doeu ser espetada com agulhas no ânus, pois não? O médico ia brincando, fazia-me perguntas, tentava distrair-me. Depois, cortaram as ditas hemorróidas e extraíram o sangue trombosado que lá estava. A anestesia não era muito forte porque ficou sempre a doer-me. E cada vez mais. Antes de sair, quis saber o que posso fazer para que crises destas não se repitam de novo. Não vou aguentar. Então, é assim: - muita água - sopa de legumes a todas as refeições - uma colher de sopa de farelo na sopa - muita fruta e muitos legumes - nada de fritos e essas coisas todas que já sabemos Escusado será dizer que agora sigo isso tudo à risca. Farelo e tudo. É um bocado esquisito, mas não é mau de todo. O que se pretende é tornar as fezes moles e facilitar a evacuação. Sobre as dores, tem sido mau, muito mau. Deixaram-me sair do hospital sem qualquer indicação para as dores. Os médicos resolvem o problema na hora, apenas. Vim para casa em grande desespero. Passei o resto do dia a sangrar (deram-me compressas), consegui ir à casa de banho sem dificuldade, mas as dores eram indescritíveis. A minha cunhada trabalha no serviço de obstetrícia e fez o que os médicos deviam ter feito. Se eu não tivesse este privilégio não sei o que teria sido de mim. Ao fim do dia, foi ao hospital falar com o obstetra que me tinha atendido nessa manhã e ele disse que era, de facto, um caso grave e que era melhor fazer uma injecção de petidina. A minha cunhada veio cá a casa munida da petidina e de dois preservativos para encher com água e pôr a congelar. De facto, o gelo ajuda. A forma fálica também ajuda. Atenção, não é para meter pelo rabo acima. É para ficar do lado de fora entre as nádegas. Não esquecer que o preservativo de gelo tem que ser bem envolvido em compressas ou numa toalha, para não queimar a pele. Esta técnica é usada nos serviços de obstetrícia para as senhoras que acabaram de dar à luz. É engraçado, mas resulta. A petidina e o gelo não resultaram muito bem. Passei a noite com dores. Hoje está um bocadinho melhor, mas precisei de mais uma injecção. Continuo a sentir muito bem os cortes e está tudo muito inchado. Hoje o médico disse à minha cunhada para usar a pomada Nupercainal. É anestésica e diz que é muito boa. Agora, pergunto: porque é que nenhum médico quis evitar que uma mulher grávida passasse por tudo isto? Porque é que não alertam logo nas consultas de acompanhamento de gravidez? Porque é que me deixaram vir para casa cheia de dores? Será que todo este stress não faz mal à minha filha? Será que ninguém pensa nisso? Hoje ainda não estou nada bem. Dizem que tenho razão de queixa para vários dias. Estou sob o efeito de um forte anestésico, pomada anestésica, gelo, repouso e, mesmo assim, tenho muitas dores. Eu peço desculpa se fui demasiado descritiva, mas acho importantíssimo passar esta mensagem a todas as grávidas e a quem pensa engravidar. Nesta condição, todo o nosso corpo se altera e reage de forma diferente às situações. Mais vale prevenir, do que remediar. Eu já tinha hemorróidas antes, mas mesmo quem não tinha pode passar a ter. Muito cuidado! Espero que isto me passe em breve. Já não se aguenta mais. Acho que depois disto, já estou preparada para o parto. :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:23


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.05.2014 às 22:30

Passei por tudo isso, vc acabou de descrever o que passei. levei tambem 3 injecçoes anestesica, gravida de 7 meses!!!! sofri sofri sofri... um dia portanto liguei ao medico proctologista que cuidava de um cancer no reto do meu pai, e pedi misericordia que me ajudasse pois tava ficando louca de tanta dor. Ele disse que sofri demais sem necessidade, nao precisava daquelas injeçoes, pois o que ia adiantar? realmente, tinha razao nao adiantou nada, pois voltei do hospital com muitas dores. Entao ele me aconselhou o que foi oprimeiro dia em que consegui respirar fundo depois de semanas a fio a sucumbir de dor... simplesmente sentar em agua morna. comigo funcionou assim pois a trombose, o coagulo dialatou. entao toda vez que fazia coco, doia horrores, sem duvida nao consegui me livrar disso, mas logo em seguida sentava em agua morninha, e o alivio era imediato. sofri, e sei muito bem o que vc ta passando. cuidado com o gelo, coagulo e gelo nem sempre dao certo viu.
Sem imagem de perfil

De Carla Silva a 07.09.2014 às 11:20

Olá... passei pelo mesmo que tu às 36 semanas de gravidez. Lancetei 3 hemorróidas trombosadas há 4 dias e ainda sinto imensas dores e estou muito limitada. Foi a pior experiência da minha vida... e agora morro de medo do parto... tiveste parto normal depois desse episódio?...
É realmente horrível e parece assunto tabu...mas parece ser muito comum...
Sem imagem de perfil

De Patricia a 08.06.2015 às 23:00

Estou um bocado assustada, pq tb estou com uma crise gd de hemorroidas, começou na sexta-feira, já fui ao hospital e mandaram-me lá voltar 2 dias dps, vou amanhã! Tenho tantas dores q achei q ser lancetada seria um sonho, mas é apenas a continuação deste pesadelo! Já tive um parto normal e isto custa mais, se ainda piora nem quero imaginar! Estou em crise já 4 dias e tenho cada vez mais dores!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D